Psicologia da Aprendizagem

Psicologia da Aprendizagem

Guia de Navegação

Direciona para o início do arquivo.

Direciona para página anterior.

Direciona para próxima página.

Direciona para o sumário.

Busca por páginas ou palavras.

Ferramentas

Aciona os recursos de acessibilidade.

Direciona para ajuda com a navegação.

Direciona para a avaliação do material didático.

Ícones

Identifica videos.

Identifica atividades.

Identifica textos que ampliam o conceito destacado.

Identifica a biografia do autor.

Identifica imagens.

Identifica aúdios.

Identifica um livro sugerido para leitura.

Identifica datas.

LINKS :Sempre que uma parte do texto aparecer na cor azul, há um link que leva você para página relacionada com o assunto.

Lista de Vídeos de Psicologia da Aprendizagem


Palavra do Professor-autor

Olá!

A psicologia da Aprendizagem traz uma abordagem técnica de assuntos pertinentes à psicologia na área educacional. Dimensão esta, voltada para a educação a fim de favorecer aos acadêmicos de licenciatura a construção de saberes.

Caracterizando conceitos da aprendizagem humana, bem como o desenvolvimento e suas teorias, compondo um cenário repleto de conhecimentos para utilizar de forma propicia em seu crescimento intelectual, valendo-se dos ciclos de aprendizagem.

Nessa perspectiva, ressaltamos que o estudo dessa disciplina far-se-á de modo criativo com leituras voltadas à área, trocas de ideias com autores consagrados na pedagogia, testes e exercício para que o acadêmico sinta-se envolvido com a disciplina na modalidade a distância.

As autoras.

MARISA PASCARELLI AGRELLO. Possui Graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação Piratininga (1975), Especialista em Psicopedagogia pela Associação Brasileira de Psicopedagogia e Psicomotricidade pela UNIFOR, Mestre em Educação, Administração e Comunicação pela Universidade São Marcos (2001). Doutoranda em Ciências da Educação na Universidade de Trás – os Montes – Alto – Douro (2012 a 2015). Atualmente é terapeuta de crianças, jovens e adultos, Diretora-Presidente da Escola de Psicopedagogia do Ceará, Pró- Diretora de Desenvolvimento Institucional do Sistema de Educação – INTA, Diretora da Clínica de Psicopedagogia das Faculdades INTA-Sobral, Membro Titular da Associação Brasileira de Psicopedagogia.

NILA MARA CUNHA CARVALHO. Graduada em Psicologia pela UFC e em Ciências Contábeis também pela UFC, Especialista em Educação Biocêntrica pela UECE e em Dinâmicas Grupais na Empresa e na Escola pela UNIFOR, Formação em Biodança pela Internacional Biocentric Foundation – IBF. Atua como Psicóloga social e clínica, como Educadora na Universidade Vale do Acaraú, em Faculdades particulares nos cursos de Pedagogia, História e Teologia e em Cursos de Especialização em Psicopedagogia e Gestão Educacional, Fundadora do Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais – CE.

Ambientação

Olá, sejam bem vindos à disciplina de Psicologia da Aprendizagem!

A aprendizagem é o processo do qual o indivíduo necessita de interação com outros. Desde cedo o indivíduo vai aumentando as formas de lidar com o mundo estruturando significados para as suas ações, com o uso da linguagem ganham maior abrangência.

A sociedade continua evoluindo e o sistema escolar é sacudido por novas demandas de transformações. Os desafios são novos, embora os ideais sejam os mesmos.

Nossa responsabilidade é avançar na construção de uma dinâmica libertadora dentro de sistemas educacionais, como reformadores de uma prática que devemos reconstruir, participando das ideias e dos ideais que continuam sendo transformados.

Esse mundo não se esgota nos saberes acerca da Educação (o que se pensa). E no saber fazer (o domínio das habilidades para desenvolver a prática). Fazem parte dele as intencionalidades (pretensões, motivações, ilusões, projetos, entre outros), abrindo caminhos, movendo-nos e nos dando razões para desejar e buscar realidades melhores.

Os saberes acerca de saber fazer e intencionalidades configuram o acervo cultural da Educação, sobre o que é e o que significa educar, da qual participamos e sobre a qual tomamos posições, de maneiras diferentes.

Educar consiste em imprimir uma determinada direção à cultura, à sociedade e ao mercado e ao modo de ser dos homens, respeitando as diferenças individuais.

Nessa perspectiva sugerimos a você a leitura do livro Psicologia e educação: o significado do aprender. Aprofunde nesta leitura, pois irá levá-lo a descobertas incríveis no mundo do aprender, esclarecendo o processo de aprendizagem.

Trocando ideias com os autores

Agora é o momento de trocar ideias com os autores

Propomos a leitura de algumas obras.

Psicologia e Educação

Piaget para principiantes

Psicologia do desenvolvimento: teorias e temas contemporâneos

Após a leitura das obras, escolha uma delas e faça uma resenha crítica e comente com seus colegas.

(WITTER, 2004)

Para aprofundamento do conteúdo, sugerimos a leitura do livro Psicologia e Educação: professor, ensino e aprendizagem, o qual lhe ajudará a compreender melhor a psicologia no âmbito escolar. A obra enfoca assuntos relevantes da Psicologia e Educação destacando professores e alunos no contexto no processo ensino aprendizagem.

(LIMA, 1980)

Para mergulhar no mundo de Piaget, indicamos o Livro Piaget para principiantes. Você vai se deliciar com uma aprendizagem através de metáforas que faz correlação com as teorias do referido autor. O autor analisa a obra do genial educador em torno da criança, seu desenvolvimento e o adulto.

(NUNES, 2009)

Para um olhar mais direcionado à Psicologia é importante a leitura dessa obra, Psicologia do desenvolvimento: teorias e temas contemporâneos. Essa leitura será de extrema importância, pois trata de temas atuais, tem a finalidade de contribuir para socialização de conhecimentos necessários à formação de profissionais de educação e de outras áreas.

Problematizando

Reflita sobre o texto abaixo

Um professor passou horas elaborando um planejamento dentro do que ditava as normas da Didática e os padrões determinados pela escola, visando atingir determinados objetivos propostos pela Instituição. Enquanto trabalhava, solitariamente, na sua fantasia, pensava na formação do estudante. Elaborou materiais, enfeitou a escola, a sala de aula...

Em nenhum momento dessa pequena história o professor se deu conta de que a questão do vínculo é fundamental. Não houve oportunidade para que se formassem vínculos positivos com os objetos presentes no contexto “sala de aula”. Pelo contrário, os vínculos estabelecidos neste primeiro encontro foram o pontapé inicial num jogo de vínculos mal-sucedidos e com internalização plena de “objetos maus”, que significa que os vínculos formados não foram introjetados de forma positiva pelo aluno.

(KLEIN apud SEGAL,1975,p.109).

  • A sala é linda! Mas de que adianta se não se pode apreciá-la de perto?
  • O professor se esmerou em organizar tudo. Mas de que vale se deixou que a tarefa não fosse agradável?
  • Tenho que aprender tudo isso? Acho que vou gostar. Parece tão chato! Ih!... Desanimei!
  • Acho que eles não gostaram de nada. Parecem até que estão com sono! E aquele capetinha ali? Já vi que vai dar trabalho!

Guia de Estudo

Guia de Estudo

Reflita e responda a cada uma das colocações e relate a que conclusões você chegou referente ao texto.

Construção da aprendizagem

1

Conhecimentos

  • Compreender as dimensões da aprendizagem humana.
  • Habilidades

  • Identificar as dimensões da aprendizagem humana no cotidiano.
  • Atitudes

  • Estabelecer um parâmetro de aprendizagem articulando a teoria e a prática profissional.
  • Unidade 1

    Reflexões sobre o ato de ensinar/aprender

    Educar alguém é uma das missões mais complexas e mais belas do ser humano, pois ela envolve muitas dimensões do desenvolvimento, variáveis sociais, além de proporcionar, mais que formação, a “trans-formação” do ser.

    A educação se dá em uma realidade que sofre alterações constantes com relação à tecnologia, ideologia, comportamento e, principalmente, em relação a valores.

    Vale ressaltar que uma das características que têm preocupado as pessoas que atuam na formação de crianças e jovens é a velocidade vertiginosa com que essas alterações estão acontecendo neste momento da história da humanidade.

    É preciso, talvez, nos determos na base constituinte da vida humana e compreender nossas potencialidades para que possamos saber agir, com mais simplicidade e muita criatividade.

    Estamos nos referindo a nossa constituição biofisiológica. Um aspecto que não muda, e acreditamos que é nele que deva se apoiar grande parte da ação educativa é o potencial exploratório de toda criança, ou seja, sua curiosidade natural.

    É essa força instintiva que faz a criança, em seus primeiros contatos com o contexto, colocar toda sua energia para manter seus níveis de equilíbrio e de satisfação de suas necessidades. Quando tem poucos dias de vida, o choro é o instrumento mais usado pela criança; sua boca é usada para explorar tudo, até que possa usar os dedos quando quiser conhecer algo novo. Mais tarde, ela adquire outras habilidades para seguir explorando o mundo.

    O impulso para satisfazer as necessidades, para sentir prazer e para conhecer, já vem com a criança, o trabalho dos pais, cuidadores e educadores é saber como intervir para estimular este potencial e oferecer-lhes conteúdos que possam lhes orientar em seu caminho de socialização.

    Rubem Alves (1933-2014) foi um dos educadores que mais escreveu sobre a simplicidade do ato de ensinar, apostando no aspecto biológico e natural da aprendizagem. Segundo ele, o ato de ensinar se assemelha ao ato de cozinhar porque está implícito que quando existe fome todo o organismo se empenha na ação de saciá-la e o faz da melhor forma possível. Ele trata esse tema, especificamente, em seu livro Estórias de quem gosta de ensinar (1993).

    Unidade 1

    Para ele, aprender carrega em si um prazer semelhante ao ato de cozinhar e ao ato de comer. Em seu livro Ao professor com o meu carinho, ele faz a seguinte referência:

    Adélia Prado me ensina pedagogia. Diz ela: “Não quero faca nem queijo: quero é fome.” O comer começa na fome de comer queijo. Se não tenho fome, é inútil ter queijo. Mas se tenho fome de queijo e não tenho queijo, eu dou um jeito de arranjar queijo... Sugeri, faz muitos anos, que, para entrarem numa escola, alunos e professores deveriam passar por uma cozinha. Os cozinheiros bem que podem dar lições aos professores. (ALVES, 2004, p.51).

    Em outras palavras, ensinar, ação constituinte do ato de aprender, requer a habilidade de despertar a fome, ou melhor, a curiosidade do aprendiz. É saber dar-lhe o estímulo para aprender e não simplesmente dar-lhe o conteúdo pronto. Afinal, isto não é aprendizagem, é transferência e repetição.

    Porque a Educação é vista como um processo de formação?

    A Educação como processo de formação

    O pensamento está ligado diretamente à ação do ser humano no mundo globalizado não se limitando ao campo cognitivo abrangendo a criatividade, imaginação, expressão corporal, verbal, atitudes, sentimentos, sonhos e valores.

    Os estudos da Psicologia da Aprendizagem permitem conhecer e compreender o desenvolvimento e comportamento humano auxiliando os futuros professores a propiciarem meios facilitadores para a construção da aprendizagem de crianças e adolescentes.

    O pensamento está, portanto, ligado a reflexões, ou seja, a perguntas e decisões por meio de experiências vivenciadas no cotidiano e obviamente a qualidade dessas experiências entre o adulto e seu aprendiz. Cabe ao educador propiciar oportunidades para a criança pensar, levantar hipóteses e assim construir e modificar seu pensamento sobre o mundo que a rodeia.

    O que muitas vezes cria obstáculos à construção do pensamento da criança é o modelo de educação que o adulto recebeu em dizer à criança tudo o que ele deve fazer, ou que ela precisa, impedindo muitas vezes a criatividade e a percepção de mundo fazendo a criança aprender somente o que o professor deseja e não o que ela necessita de acordo com a fase de desenvolvimento que se encontra.

    A partir dessa primeira reflexão o professor rompendo com paradigmas e perguntando a si mesmo se está aberto a mudanças, sentir-se-á mais satisfeito com a possibilidade de apresentar oportunidades para a verdadeira construção do ensino – aprendizagem e por consequência do seu pensamento e do pensamento da criança que estiver em inter-relação com ele.

    Unidade 1

    Você sabe qual a missão da escola em relação ao ensino aprendizagem?

    A escola tem a missão de propiciar além da socialização um espaço para construção de novos saberes, troca de ideias, invenções, novos sonhos, brincadeiras, onde cabe ao professor propiciar este espaço de construção.

    Com esta nova visão sobre educação estaremos contribuindo para a construção de uma sociedade realmente democrática onde o respeito pela opinião, ideia, palavra, voz, disposição em compartilhar com o outro sem receio da crítica, utilizando suas capacidades, habilidades e competências.

    Sabe-se que pensar é uma forma de aprender, pois, se tem um objetivo diante dos objetos de conhecimento como nos propõe Piaget (1980) e assim ao nos apropriarmos destes objetos pela experiência, pela exploração e participação ativa os mesmos terão significado para quem aprende, pois terão aplicabilidade na vida.

    É o que Raths (2000, p.15) chama de “aprendizagem intencional”, pois a criança está amadurecendo ao se apropriar do que é novo, inédito transformando-se em aprendizagem por meio do brincar, do lúdico que é a linguagem da criança.

    Uma criança diante do inédito, pela exploração concentra-se na atividade levantando inúmeras hipóteses próprias antes de decidir qual a melhor alternativa. Cabe ao educador acompanhar a evolução do raciocínio da criança e não interromper a construção de seu pensamento porque as alternativas demandam tempo. Esse tempo é o da criança e como somos seres únicos e singulares, cada um tem seu próprio ritmo e a interferência na sequência do raciocínio pode causar obstáculos na construção do pensamento e por consequência na aprendizagem.

    Operações do pensamento

    Todo conteúdo contém uma lógica interna para assimilação, para isso utilizamos os processos mentais ou operações do pensamento. Vamos entender as operações do pensamento.

    Comparação

    Quando a criança compara os objetos brincando está ocorrendo a construção do pensamento. Examina dois ou mais brinquedos com a intenção de observar as relações entre eles procurando os pontos em comum ou de discordância. Dessa maneira se apropria das estruturas fundamentais para operações matemáticas.

    Unidade 1

    É por meio das comparações concretas desde a Educação Infantil tão importante que se chegará a complexidade das abstrações.

    Observação

    A criança é uma grande observadora, desde o nascimento à fase inicial do ingresso na escola, (Educação Infantil e Ensino Fundamental) manifesta um comportamento heterônomo, em que as regras de conduta são ditadas por outras pessoas que não ela mesma. O adulto é seu referencial maior, portanto além de participar ativamente, observa cuidadosamente tudo ao seu redor. Animais que brincam, a mãe que faz um bolo, a letra da professora para tentar copiar igual, a maneira do pai se expressar, o corte de cabelo do jogador de futebol de sua preferência, entre outras coisas.

    As observações provocam na criança mudança de comportamento e aprendizagem estabelecendo comparações, classificações e adaptações orientadas por objetivos a serem atingidos.

    Classificação

    Quando a criança classifica ou separa as coisas com as quais está brincando está colocando em grupo possibilitando a categorização, portanto, está construindo seu pensamento.

    A classificação proporciona a análise e síntese, componentes fundamentais à construção e interpretação de textos, pois análise é a mensagem que se encontra em cada parágrafo lido ou escrito e síntese é a mensagem principal de um texto.

    Interpretação

    “Interpretar é um processo que o ser humano utiliza para atribuir sentido às suas experiências”. Para melhor compreensão da afirmação o ser humano desde pequeno se apropria do mundo através de suas percepções, sensações, movimentos e atitudes, experimentando, vendo, tocando, sentindo, ouvindo, estabelecendo a diferença de peso, tamanho, forma, cor, textura, entre outros.

    Interpretar para o Jean Piaget é o que a criança faz ao assimilar uma informação nova. A interpretação ou a assimilação consiste em trazer para si alguns aspectos mais significativos de determinada informação, em detrimento de outros.

    Observe como muitos alunos universitários têm dificuldade em fazer resenhas críticas, ou em construir seus próprios textos. Em sua história escolar, a maioria não vivenciou a possibilidade de criar conhecimento. Muitos não foram estimulados a pensar sobre o que estavam ouvindo, ou vendo, ou a dar significados, opiniões e muito menos de discordar do professor. A maioria foi orientada a reproduzir o pensamento de seus “mestres”.

    Unidade 1

    Você está disposto a romper com modelos pragmáticos de educação e propiciar que crianças se tornem construtoras de seus conhecimentos mediados por você?

    Para que você possa responder de modo substancial a esta questão é preciso conhecer e estudar alguns autores que são referências quando tratamos da psicologia da aprendizagem. Destacamos Jean Piaget (1896-1980), Levi Vigotsky (1896-1934) e Paulo Freire (1921-1997).

    As categorias destacadas neste tópico apontam para a teoria de J. Piaget, chamada de epistemologia genética, que explica sua principal questão sobre como o ser humano constrói o conhecimento.

    Observando crianças, especialmente seus próprios filhos, Piaget percebeu que, para que haja determinado tipo de aprendizagem, a criança deve estar em um estágio de desenvolvimento motor e psíquico apropriado. Além disso, observou que estes estágios são progressivos e subsequentes. Portanto, não há como acontecerem de modo regressivo ou alternado.

    Com base em La Taille (1992), destacamos algumas noções basilares em Piaget. Os estágios do desenvolvimento piagetianos são: sensório-motor (crianças de 0-2 anos); pré-operatório (de 2-7 anos) e operatório (de 7 anos - em diante). O estágio operatório se divide em operatório concreto (de 7-11) e operatório formal (de 11 em diante).

    A aprendizagem infantil envolve o amadurecimento das funções motoras, o desenvolvimento da compreensão do objeto permanente e da capacidade de realizar operações mentais interiorizadas.

    Assim, enquanto a criança interage com o contexto, constrói o conhecimento, por isso essa teoria é considerada interacionista.

    Os conceitos de assimilação, acomodação e equilibração são fundamentais para orientar a prática pedagógica. Os três processos acontecem em sintonia e tem como culminância o aprendizado.

    Teoria construída por Jean Piaget

    Nesta videoaula a Professora Nila Mara Psicóloga e Especialista em Educação explana a Teoria construída por Piaget denominada epistemologia genética, e fala das três teorias que explicam a aprendizagem do desenvolvimento e da inteligência humana que são: Inatismo, Empirismo e o Interacionismo.

    Ela fala do pensamento de Piaget sobre o conceito de inteligência, abrange dois aspectos o funcional e o estrutural e também aborda o conceito de estágio apresentando cada um deles. Vale a pena conferir!

    Conceituação de aprendizagem

    2

    Conhecimentos

  • Compreender o conceito de aprendizagem e conhecer o ciclo vital.
  • Habilidades

  • Identificar as mudanças de comportamento da criança.
  • Atitudes

  • Estabelecer um parâmetro de aprendizagem; Fornecer aos estudantes a base da Psicologia na aprendizagem humana.
  • Unidade 2

    Aprendizagem: conceitos e reflexões

    Aprendizagem é tema central na atividade do professor. Pode-se dizer que todo trabalho do professor se resume na questão do ensino/aprendizagem, que se constituem mutuamente. Podemos inclusive dizer que se não houve aprendizagem não houve ensino, assim como, no comércio, se o freguês não chegou a comprar o comerciante não pode dizer que vendeu.

    Costuma-se definir a aprendizagem dizendo que se trata de uma mudança de comportamento, e aqui precisamos entender comportamento no sentido mais amplo que esta palavra pode ter. Realmente, a criança que, entra na classe de alfabetização sem conseguir fazer leitura e depois de um período passa a ler um pequeno texto apresenta uma modificação. Quem não resolvia uma operação aritmética e passa a resolver, apresenta uma modificação. Os exemplos podem multiplicar-se. Aprendeu: quem adquire a habilidade de nadar, de preparar certo prato culinário, quem adquire novas informações ou quem passa a nutrir certo sentimento por determinada pessoa.

    É importante conhecer o pensamento de alguns autores sobre o tema. Cavaco et al. (2009, p. 3) destacam que Tolman traz a perspectiva de intencionalidade da aprendizagem afirmando que esta requer o foco em um objetivo. Ou seja, se o aprendiz tem a intenção de aprender o conteúdo poderá ser assimilado mais facilmente. Sprinthall A. N. e Sprinthall C. R. tratam do fato de que há momentos propícios e momentos não propícios para que a criança aprenda. Portanto, a aprendizagem poderá ser facilitada ou dificultada ou até ser prejudicial ao desenvolvimento da criança.

    J. Piaget, biólogo e epistemólogo suíço e maior referência sobre como se dá a construção do conhecimento, afirma que:

    “[...] o desenvolvimento cognitivo infantil faz-se por estádios [estágios] de desenvolvimento, ou seja, a natureza e a forma das aprendizagens mudam ao longo do tempo mostrando que cada nova aprendizagem advém da maturação de uma estrutura anterior e da “abertura” de uma nova estrutura” (CAVACO et al., 2009, p. 3).

    Vale ressaltar que o termo, ‘mudança de comportamento’, não se aplica somente às aprendizagens cognitivas ou referentes a conteúdos teóricos, geralmente avaliados através de provas. Aprendizagem é fenômeno do dia-a-dia, que ocorre do início ao fim da vida.

    Não é qualquer mudança comportamental, no entanto, que será considerada aprendizagem. É importante excluir, entre outros casos:

    • As mudanças decorrentes de maturação, por exemplo: a criança que passa a mexer em certos objetos simplesmente porque agora já anda ou alcança o lugar onde estão;
    • As mudanças que têm curta duração e que advêm de eventuais alterações fisiológicas e motivacionais, por exemplo: a pessoa que, cansada após um dia de trabalho, não consegue concentrar-se numa atividade; ou que manifesta reações de comportamento ocasionadas por determinados medicamentos, como por exemplo, ficar sonolenta; ou ainda, a pessoa que manifesta euforia pelo recebimento de notícia muito boa.

    Unidade 2

    Cavaco et al. (2009, p. 2), cita que Feldman S. R. reserva o termo aprendizagem àquelas mudanças provenientes de algum tipo de treinamento, como o que ocorre nas aprendizagens escolares. Treinamento supõe repetições, exercícios e prática.

    Em certos casos, porém, uma única ocorrência parece ser suficiente para modificar o comportamento do indivíduo. Após um acidente automobilístico, é possível que uma pessoa não consiga nem mesmo entrar em um automóvel, por conta do sofrimento vivido.

    A aprendizagem também acontece por observação. Mesmo não vivenciando propriamente a experiência, a criança aprende com o adulto só por observá-lo atentamente!

    Para completar a definição, resta mencionar um aspecto. Quem aprende está sujeito a esquecer. Entretanto, um esquecimento rápido demais pode indicar excessiva fragilidade da aprendizagem, ou, para ser mais incisivo, pode indicar simplesmente que não chegou a haver aprendizagem.

    Se houve atenção no momento do contato com a informação nova, em geral há a retenção da informação, ou seja, a função memória é ativada e o conteúdo poderá ser resgatado quando necessário. Lembrar é uma forma de demonstrar que houve aprendizado.

    Aprendizagem e o ciclo vital

    Quando pensamos em aprendizagem, tendemos a pensar em crianças ou em situações de formação escolar/educacional. Porém, ela ultrapassa fases de crescimento e pode acontecer em todas as situações do cotidiano.

    A aprendizagem está muito vinculada ao desenvolvimento, uma não acontece sem a outra. A forma como esses processos vão acontecendo recebe influência direta da fase da vida em que o sujeito se encontra.

    Erik Erikson (1902-1994), psicanalista alemão, em sua teoria conhecida como Ciclo Vital afirma que o desenvolvimento é algo contínuo. Como esclarece Papalia et al., (2006), o ser humano se desenvolve de modo vitalício, multidirecional e sob condições sócio-históricas.

    A teoria eriksoniana trata do ser humano em sua totalidade orgânica e existencial identificando fases e destacando em cada uma, sua crise específica.

    O desenvolvimento humano é descrito por Erik Erikson 1972 como momentos de conflitos internos e externos, que ele designa como “crises”, que o sujeito tem de suportar para ressurgir de cada etapa com um sentimento cada vez maior de unidade interior, ou seja, com sua estrutura egóica mais fortalecida. (BOSSI; SANTOS; ARDANS - BONIFACINO, 2010, p. 2).

    Unidade 2

    Na infância é notória a celeridade, qualidade e variedade de ambos os processos (aprendizagem e desenvolvimento). Por isso é tão importante que dediquemos a esta fase cuidados especiais, como presença de profissionais da educação competentes, materiais pedagógicos de qualidade e diversidade de conteúdos de acordo com a idade das crianças.

    A adolescência, mal compreendida pela maioria das pessoas, traz em si um turbilhão de alterações que são impulsionadas pela produção hormonal que nesta fase se diversifica e aumenta substancialmente. Os sujeitos passam por transformações estruturais de modo rápido e profundo nas dimensões físicas, fisiológicas, psicológicas e, consequentemente, sociais.

    A fase adulta se caracteriza pela tendência a estabilidade e a necessidade de realização pessoal e profissional, aplicação de conhecimentos, e de produção que possam lhe garantir reconhecimento e condições de sustento individual e familiar.

    Na velhice a dimensão biológica do desenvolvimento perde qualidade, mas a dimensão psicológica e a sabedoria podem ganhar muito.

    Erikson (1972, apud BOSSI, SANTOS e ARDANS-BONIFACINO, 2010) organiza e caracteriza seu o ciclo vital da seguinte forma:

    1 - Confiança básica versus desconfiança básica- corresponde ao momento em que a criança é separada da mãe no nascimento, ao mesmo tempo em que depende totalmente da função materna para viver.
    2 - Autonomia versus vergonha e dúvida- fase em que a criança passa a controlar os esfíncteres e se sente mais autônoma. Todavia, se há controle exagerado da pessoa que faz a função materna a criança se sentirá envergonhada e insegura.
    3 - Iniciativa versus culpa- fase na qual a criança tem mais habilidade com a linguagem, tem mais mobilidade e curiosidade, especialmente, sobre as diferenças sexuais. As manifestações de curiosidade geralmente são reprimidas e algumas mal entendidas pelos adultos o que gera sentimentos de inadequação e culpa.
    4 - Diligência (ou Produtividade) versus inferioridade - corresponde a idade escolar, momento em que o aumento de atividades e exigências solicitadas a criança, pode gerar o sentimento de incapacidade para apresentar os resultados esperados pelos adultos.
    5 - Identidade versus confusão de identidade – Corresponde à adolescência: auto descoberta, singularidade, definição de espaço. Atributos que podem ser conquistados de modo contestador e/ou agressivo. Busca da diferenciação dos adultos.
    6 - Intimidade versus isolamento – corresponde ao adulto jovem: realizações mais íntimas como o amor, paternidade, maternidade e realização de sonhos. O sujeito busca em si a força para vencer.
    7 - Generatividade versus estagnação – corresponde ao adulto maduro: momento em que ainda não sendo idoso, já criaram os filhos, muitas vezes não trabalham mais e tendem a proteger os mais jovens, os orientando em suas vidas.
    8 - Integridade versus desespero- corresponde à velhice, momento em que as realizações existenciais já foram efetivadas (ou não) e que a pessoa se sentindo realizada ou não, visualiza com mais frequência o fim de sua vida.

    Unidade 2

    A cada etapa da vida, o sujeito apresenta características biopsicossociais diferenciadas, todavia, em todas há aprendizado e desenvolvimento. Sem dúvida, conhecer como funciona o aspecto mental e psicológico das pessoas nos permite agir com efetividade nas atividades de ensino.

    Pensando sobre a infância

    Algumas pessoas que pensam em trabalhar com crianças e desejam ter boas condições de trabalho para atendê-las da melhor forma possível, certamente ficariam surpresas se soubessem que em outros lugares, em outros tempos, a infância nem existia. Vamos explicar:

    Entender o que é a infância implica em fazer um breve resgate histórico sobre o tema. Há algum tempo atrás as crianças, na cultura ocidental, eram consideradas seres inferiores, pois, não tendo a mesma força dos adultos, não podiam ajudar nos trabalhos na agricultura e pecuária.

    Logo que ganhavam um pouco mais de peso e estatura passavam a ter responsabilidades em casa e a fazer as mesmas tarefas dos adultos na lida. No período pós-revolução industrial também eram incluídas em tarefas nas fábricas na companhia dos pais ou dos irmãos mais velhos.

    Suas roupas eram cópias em miniaturas das roupas dos adultos e chegavam a frequentar os mesmos ambientes, como bares e até prostíbulos, tendo assim seu desenvolvimento biopsicossocial comprometido.

    Na verdade, apesar de serem crianças, socialmente eram tratadas como adultos. E assim, com a infância roubada aprendiam antes da hora a ser adultos.

    Em outro momento da história, a infância passou a ser considerada uma fase de preparação para a vida adulta. A família, a igreja e as instituições de ensino passaram a protegê-la com o intuito de organizar a vida social.

    Mas hoje como será que a infância é considerada?

    Mais recentemente, a infância passou a ser considerada um forte grupo de consumo. A sociedade capitalista investe maciçamente em produtos de todas as áreas para todas as idades da infância. Por um lado, essa estratégia fortalece a ideologia capitalista, mas, por outro, garante mais atenção à infância.

    Além disso, leis, estudos, programas e projetos voltados inteiramente para a proteção às crianças foram criados e são efetivados em muitos lugares do mundo, muito embora existam muitos países em que o tempo parou e a infância continua desprotegida.

    Unidade 2

    É através da educação que poderemos garantir o direito das crianças de serem crianças, dando-lhes liberdade e limite, respeitando sua individualidade e o tempo de cada uma crescer em seu próprio ritmo até a vida adulta.

    Só há aprendizagem quando a criança é o sujeito de sua ação confrontando a realidade do mundo que a rodeia dando significado aos objetos que se apropriou pela experiência e participação ativa com aplicabilidade na vida.

    A aprendizagem é que permite à criança exprimir e desenvolver suas competências reais, implicando na compreensão do que faz e do motivo porque faz. Significa: aprender para si mesmo; fazer seu; assimilar, portanto, é um processo ativo que modifica ou transforma o comportamento do ser humano de forma duradoura dando oportunidade da livre expressão por meio de inúmeras linguagens.

    No entanto, conhecendo a realidade da criança, o professor pode compreendê-la melhor e a partir desse conhecimento organizar melhor seu trabalho, valorizar as suas diversas formas de expressão, quer escrita (desde as garatujas até a escrita formal), como também a linguagem corporal, musical, dentre outras que auxiliarão e enriquecerão a construção do saber sobre a leitura e a escrita. A aprendizagem está, portanto, diretamente relacionada à conduta, pois é aprendendo que se reformula a maneira de atuar no mundo e sobre ele.

    Ação do professor na formação de vínculos

    A relação professor-estudante é fundamental que nos faz voltar ao passado e analisar o que vivemos constatando a intensidade de emoções que passamos. Essa relação é tema discutido em diversos Cursos de Pedagogia, porém sua discussão restringe-se a dissertar e refletir, mas a prática continua a mesma.

    Só refletir um pouco auxilia o professor a compreender a dinâmica das relações estabelecidas em sala de aula das influências sociais. Há necessidade de propiciar vivências que comprovem as influências nas relações das dimensões sociais que reproduzem na escola um modelo social vigente.

    No entanto, a escola é parte do sistema social e, portanto, professor, estudante, família e comunidade com suas histórias, cultura, valores, crenças, sonhos e desejos precisam se conhecer para compreender saberes e valorizar habilidades e competências estabelecendo-se assim o verdadeiro vínculo que autoriza a aprendizagem.

    Entende-se por professor e estudante os papéis sociais que ambos podem desempenhar em sala de aula, proporcionando um espaço de construção do saber. Na sala de aula, a educação resulta da convivência social entre estudante e professor.

    Unidade 2

    Segundo Paulo Freire (1991, p.68) o educador já não é o que apenas educa, mas o que enquanto educa, é educado, em diálogo com o educando que, ao ser educado, também educa.

    O diálogo estabelece o relacionamento entre pessoas que ensinam e aprendem, podendo, atuar criticamente para transformar a realidade. Para “ser no mundo”, é necessário estar no mundo com possibilidade de liberdade e não contra ela.

    A interação professor e estudante é dinâmica. Muitos vínculos são formados, extintos e reestruturados num processo que afeta os dois sujeitos envolvidos de maneira significativa. Um dos aspectos mais importantes neste tema é a formação de vínculos afetivos entre professores e estudantes.

    Alguns princípios norteadores

    Um dos maiores educadores brasileiros, Paulo Freire (1921-1997), usou de extrema sensibilidade e competência para nos despertar e nos instigar a sermos verdadeiros educadores. Para ele ser educador é antes de tudo amar as pessoas e amar o mundo. Educar é proporcionar ao ser humano o reencontro com sua humanidade perdida. Em essência ensinar/aprender é um ato natural, simples (complexo, no sentido de rico) e prazeroso.

    Entre tantos ensinamentos construídos, Freire (2004) fala em seu livro Pedagogia da Autonomia que não há docência (ensino) sem discência (aprendiz) e que ensinar não é transferir conhecimento, é uma especificidade humana.

    Estudaremos no nosso curso esse autor e suas ideias transformadoras, mas, por enquanto, veremos alguns cuidados mais gerais que o educador deve ter em sua prática educativa.

    1) Despertar a atenção do aluno: A atenção está, diretamente, ligada ao interesse. Despertar a atenção requer, do educador, a capacidade de, conhecendo bem seus alunos, saber quais seus interesses e saber como (metodologia) associar os conteúdos que deverão ser trabalhados a estes interesses. Essa dica serve para aprendizes de qualquer idade, mas pode ser mais necessário com crianças e adolescentes. É preciso explorar recursos variados como, atividades práticas coletivas, pesquisas, sites recomendados, notícias para debate, letras e melodias de músicas, filmes, vídeos e outras formas de arte. Nunca usar apenas “saliva e giz”.

    Vejamos uma situação que mostra o que um professor não deve fazer:

    Unidade 2

    “Tocou a sineta. O professor de História entrou na sala, mas a discussão entre os alunos continuou, intensa e apaixonada... Dois alunos dessa sala do Colégio de Genebra são espanhóis. Na noite anterior, general Franco havia ordenado a execução de três bascos oposicionistas, o que provocou reações no mundo inteiro. Os alunos viram-se para o professor e pedem sua opinião, sua ajuda para compreenderem o que se passava: “Agora silêncio, calem a boca que está na hora de começar a aula de História...”

    2) Facilitar, para cada estudante, o estabelecimento e o alcance de seus objetivos de aprendizagem: Como dissemos inicialmente, a criança vive a heteronomia, os outros lhe dizem o que devem fazer e querer. O educador precisa relativizar esse conceito e, aos poucos, estimular-lhe a autonomia. Devemos considerar os planos de educação e os planejamentos pedagógicos, mas podemos incentivar nossos alunos a descobrir o que eles querem aprender dentro do conteúdo proposto.

    Se as crianças e jovens são diferentes, seus interesses também poderão ser. Ao estudar ciência, por exemplo, alunos podem ter objetivos diferentes para satisfazer sua curiosidade, uns podem querer entender a origem da vida, uns podem desejar conhecer melhor a vida animal e outros como funciona o corpo humano.

    Respeitados os objetivos do aluno, não acontecerá o que Romain Rolland denuncia:

    “(...) afinal de contas, não entender nada já é um hábito. Três quartas partes do que se diz e do que me fazem escrever na escola: a gramática, ciências, a moral e mais um terço das palavras que leio, que me ditam, que eu mesmo emprego – eu não sei o que elas querem dizer. Já observei que nas minhas redações as que eu menos compreendo são as que levam mais chance de serem classificadas em primeiro lugar. (apud: Harper, Babette e outros. Op. Cit., p. 51)

    3) Avaliar de forma constante e recíproca: A avaliação também é ação de aprendizagem. E não se restringe a um momento estanque de prova, seminário, etc. A cada aula é possível se verificar o nível de compreensão dos alunos.

    A avaliação não deve ser feita unilateralmente, os alunos também podem e devem expressar suas avaliações sobre o professor e a aula. A autoavaliação da aprendizagem também deve ser estimulada. Em uma sala de aula todos são aprendizes, inclusive o professor e a avaliação é a condição basilar para ajustes, melhoramentos e avanços na aprendizagem.

    Pesquisas mostram que alunos que receberam comentários pertinentes em suas provas sobre seus desempenhos aumentaram o interesse pela matéria, passaram a confiar mais no professor e, consequentemente, melhoraram a aprendizagem.

    Unidade 2

    4) Estimular discussões e debates: Criar atividades como roda de conversas, júris, círculo de cultura onde os alunos possam dizer o que pensam e perguntar o que gostariam de saber. Qualquer tema a ser estudado poderá ser adaptado a estes métodos de aprendizagem, cabe ao professor usar sua criatividade ou buscar orientação. A participação estimula o interesse pelo assunto. Veja este exemplo:

    “Em classe, fizemos a lista de ações que o aprendizado da língua exige. Com relação à língua falada, andei perguntando a meus alunos o que é que a escola fez para ensiná-los a falar. A resposta de Alan foi espontânea: Mandaram a gente calar a boca”.

    DEBATE COM PROFESSORA NILA E O PROFESSOR ALEXANDRE

    Neste vídeo você verá um debate sobre as ideias de Paulo Freire no contexto educacional do Brasil. O professor João José como mediador faz várias perguntas que serão respondidas pela professora Nila Mara e o professor Alexandre. Neste debate é explanado sobre qual é a proposta de Paulo Freire para a educação, e a ideia da palavra mundo no processo ensino aprendizagem na visão de Paulo Freire.

    E ainda o mediador João José faz alguns questionamentos como: Atualmente no mundo globalizado será que as ideias de Paulo Freire ainda estão sendo vivenciadas por nós? Será que Paulo Freire ainda continua vivo dentro da escola? O professor que deseja trabalhar com as ideias de Paulo Freire, aonde ele encontraria base para uma reflexão e para uma intervenção que pudesse ter algum referencial nas propostas que o educador desenvolveu? Em relação à Psicologia de que maneira é visto uma possível relação entre a psicologia da aprendizagem e alguns dos referenciais de Paulo Freire? Em que aspectos os nossos professores poderiam contextualizar as ideias de Paulo Freire nos dias de hoje? Vale a pena conferir!

    Teorias da aprendizagem

    3

    Conhecimentos

  • Compreender as teorias da aprendizagem.
  • Habilidades

  • Distinguir e diferenciar as teorias da aprendizagem.
  • Atitudes

  • Desenvolver estas teorias de forma prática.
  • Unidade 3

    Acreditamos que a aprendizagem tem um aspecto volitivo, todavia isso não é por si um determinante. É possível que alguém aprenda algo porque é sua vontade aprender. Em sendo a vontade a essência do interesse, da atenção e da motivação, o aprendiz tende a ter sucesso no aprendizado. Portanto, quando se quer é possível aprender. Mas nem sempre é assim, e nem sempre é assim com todas as pessoas.

    Há pessoas que querem aprender, mas não conseguem. Os motivos podem ser variados, desde problemas de visão, falta de interesse no assunto, problemas com a didática e até dificuldades relacionais. Também não basta que a pessoa que ensina queira que a pessoa a ser ensinada aprenda. Há ainda pessoas que demonstram mais facilidade do que outras em aprender sobre qualquer assunto.

    Essa diversidade de situações é um das características que torna esse tema tão rico e instigante e, muitas vezes, o que gera tantos insucessos escolares.

    Agora você vai conhecer os elementos que interagem entre si no processo de aprendizagem.

    É fácil verificar que nesse processo há três elementos que interagem entre si: o objeto do aprendizado, a pessoa que aprende e a aprendizagem.

    Objeto Aprendizagem

    Partindo de diferentes bases epistemológicas e concepções teóricas, muitos estudiosos do comportamento humano se detiveram na observação e pesquisa do tema e chegaram a conclusões diferentes sobre o que é fundamental para compreender o processo de aprendizagem.

    É necessário esclarecer que todas as teorias têm formas diferentes de compreender e explicar o sujeito e o processo de aprendizagem, não encerrando em nenhuma delas a verdade absoluta. Cabe, portanto, àquele que estuda o tema ter a habilidade de utilizá-las de acordo com afinidades conceituais e aplicá-las da melhor forma em seu contexto.

    Aqui apresentaremos cinco dessas teorias: teoria do condicionamento ou comportamental, teoria da Gestalt, teoria de campo, teoria cognitiva e teoria fenomenológica.

    Unidade 3

    Teoria do condicionamento ou comportamento

    A teoria comportamental também conhecida como Behaviorismo, tem como base a teoria evolucionista de Charles Darwin, e entre seus grandes estudiosos estão I. P. Pavlov (1849-1936), John B. Watson (1878-1958), e B. F. Skinner (1904-1990).

    Você vai entender os dois tipos de comportamentos.

    Essa teoria compreende o comportamento humano como ação estimulada pelo contexto ou ação que modifica o contexto. Dessa forma, as repostas ou comportamentos podem ser de dois tipos: comportamento reflexo ou respondente e comportamento operante.

    Comportamento Reflexo: É inato, já nascemos sabendo manifestá-lo e não envolve um processo de aprendizagem. No comportamento reflexo, o estímulo pode ser entendido como todo e qualquer fator que gere uma resposta na pessoa. Portanto, estímulo (S) sempre implica uma resposta (R), ou seja, S -> R.

    O comportamento reflexo é uma forma natural, podemos até dizer biológica do corpo se comportar para poder proteger-se e, sobretudo, sobreviver. Quando o recém-nascido entra em contato com o seio da mãe (estímulo) sua ação imediata é sugar (resposta). O comportamento “sugar” não foi ensinado, a criança já sabia.

    Outro exemplo de comportamento reflexo é quando puxamos nosso braço rapidamente ao levarmos um choque na mão. Não pensamos ou aprendemos isso, apenas fazemos como uma reação natural do corpo para se defender do perigo.

    Comportamento Operante: “comportamento que produz alterações no ambiente e é afetado por essas alterações” (MOREIRA & MEDEIROS, 2007, p. 86). O sujeito age e gera uma mudança no seu contexto, que por sua vez lhe influencia. Um comportamento emitido ou resposta (R) gera uma alteração no contexto, ou seja, uma consequência (C). Então, podemos dizer que R -> C.

    Se o comportamento tem uma consequência, as pessoas podem controlar suas ações para se beneficiar ou não se prejudicar por causa delas. Por exemplo: se estudar regularmente e com dedicação (resposta), o aluno aprenderá e receberá boas notas (consequências).

    Ou o aluno poderá tentar se beneficiar de uma forma menos ética, como nos quadrinhos abaixo:

    Unidade 3

    Seja reflexo ou operante, ambos os comportamentos podem ser condicionados, ou seja, podem ser produzidos de acordo com o interesse de quem os está controlando.

    O condicionamento reflexo, mas conhecido como condicionamento plavioano, consiste em fazer um emparelhamento entre dois estímulos até que um seja substituído pelo outro. Por exemplo, um estimulo que provoca a salivação em um cachorro faminto é a visualização de pedaço suculento de carne. Mas, se ao mesmo tempo (emparelhamento) for apresentado o alimento e emitido o som de uma sirene, e se isso for feito várias vezes seguidas, com o passar do tempo, mesmo não sendo mostrado o pedaço de carne, e sendo apresentado só o som da sirene, o cachorro salivará.

    O condicionamento operante é utilizado em várias situações e contextos, mas as escolas e os pais de um modo geral o utilizam, frequentemente, para alcançar seus objetivos com as crianças.

    Condicionar é dar condição para que determinada ação aconteça ou que deixe de acontecer. Vejamos dois exemplos:

    • Quando na escola, os alunos recebem um prêmio pelas boas notas alcançadas. O prêmio é considerado um reforço, os alunos estão sendo condicionados, através do reforço, a estudar;
    • Quando uma criança é proibida de brincar no “pula, pula” porque bateu no irmãozinho, está recebendo uma punição que o fará evitar bater no irmão para não perder sua diversão preferida.

    Reforço e punição são formas de condicionamento do comportamento, também conhecida como aprendizagem pelas consequências, que permite que as pessoas aprendam aquilo que outras querem. Pois farão aquilo que lhe trouxer consequências agradáveis e não farão aquilo que tenha consequências desagradáveis.

    Skinner realizou suas pesquisas sobre sua teoria do condicionamento, em parte, através de experiências em laboratório com ratos. Dessa forma sustentou que quando são oferecidos retornos agradáveis o comportamento desejado pode ser repetido e quando os retornos oferecidos são desagradáveis o comportamento indesejado pode ser extinto.

    Dentro de uma Caixa de Skinner um rato de laboratório aprendeu por condicionamento operante a pressionar uma barra para obter alimento. Sempre que a luz vermelha acendia, o animal, que estava sem alimentação há dias, pressionava a barra e logo recebia uma porção de alimento. Assim ele manteve o comportamento de pressionar a barra, aprendido por condicionamento.

    Essa teoria pode gerar resultados imediatos, mas até que ponto a aprendizagem por condicionamento é duradoura ou satisfatória? E quando o ratinho tiver saciado sua forme, continuará a pressionar a barra?

    Unidade 3

    A situação da sala de aula é muito diferente e nem sempre é possível ou conveniente transferir para seres humanos as descobertas realizadas em laboratórios, com animais. Ao tratarmos de seres humanos a complexidade aumenta muito: somos seres de desejos, emoções, valores e não só seres de necessidades fisiológicas. É fato que alguns alunos se saem bem, mas outros mais autônomos e criativos não se saem bem em programas de instrução programada, ou seja, aquelas com base no condicionamento.

    Teoria da Gestalt

    A teoria da Gestalt, ou Teoria da Forma, segundo Ginger (1995, p.17) desenvolve uma perspectiva unificadora do ser humano, integrando ao mesmo tempo as dimensões sensoriais, afetivas, intelectuais, sociais e espirituais. Seus principais estudiosos, ainda conforme Ginger (1995, p. 34), foram Köhler, Koffka, Goldstein, Ehrenfels e Wertheimer.

    Gestalt é um termo alemão que não encontra tradução exata na língua portuguesa, por isso a utilizamos em sua língua original para designar a ação “de dar forma, dar uma estrutura significante” (GINGER, 1995, p.13).

    Para você, o desenho ao lado pode ser descrito como um círculo? Na verdade, os pontos não estão ligados, a imagem em sua descrição mais exata não é um círculo, mas você provavelmente respondeu sim à indagação. O motivo de percebermos a imagem como um círculo é que nossa mente tem uma tendência natural a buscar a totalidade harmônica das situações.

    Se você ver um desenho de um rosto sem o nariz, qual será a sua reação?

    A percepção é a principal noção dessa teoria. Ao vermos o desenho de um rosto sem o nariz nos incomodamos porque a imagem está incompleta e nossa percepção fica confusa.

    É natural que a mente humana busque informações que tenham significado, que façam sentido e que nos dê a percepção harmônica da totalidade, por isso muitas vezes fazemos uso da identificação das informações por semelhanças, como na brincadeira de ver imagens nas nuvens.

    Gestalt
    Gestalt

    A teoria da Gestalt entende que a totalidade é sempre maior que a soma de suas partes. Em termos de aprendizagem significa que um conteúdo específico só será mesmo entendido quando houver a organização da informação em relação a outras informações. Podemos também dizer que o professor precisa estar atento ao conteúdo apresentado e ao seu contexto, para que a compreensão se dê de forma plena e coerente.

    Unidade 3

    A todo instante, nas diversas situações do cotidiano nossa mente seleciona focos de atenção e desprezam outros. O que está em foco denominamos de figura, e o que compõe o entorno do foco chamamos de fundo. Esses dois conceitos são importantes, mas o que nos interessa é a relação entre ambos, já que há um revezamento de posições entre eles.

    Veja a imagem do lado (Vaso de Rubin). O que você vê? Dois perfis ou um jarro? Se você vê os perfis, esta será a figura e o jarro, o fundo. Se ao contrário, você vê o jarro, esta é sua figura e os perfis, o fundo. Na aprendizagem o mais importante é a relação entre a figura e o fundo, é na transição constante de foco que as percepções, descobertas e avanços acontecem.

    Podemos dizer que os aspectos principais da teoria da Gestalt aplicáveis à aprendizagem são: a percepção; a totalidade harmônica; o todo é sempre maior que a soma das partes; existência de uma relação dinâmica e constante entre figura e fundo, o aqui-e-agora.

    Baseada nas categorias citadas, quando aplicada na educação a teoria da Gestalt, que pode ser identificada com o nome de Gestalt pedagogia, tem os seguintes objetivos para que o sujeito aprenda de modo satisfatório:

    “(...) autoencontro, autorrealização/autossatisfação, recuperação das partes perdidas e reprimidas da pessoa, crescimento pessoal, desenvolvimento potencial humano como um todo, autorresponsabilidade, estímulo da consciência e concentração sobre o aqui-e – agora. (SCHERPP, 1981, p 107).

    Para os psicólogos gestaltistas, a aprendizagem ocorre, principalmente, por insight. E o que é insight? Segundo Scherpp (1981, p 259), “é iluminação, ou tomada de consciência súbita, a partir de uma experiência interna forte”. É um conceito muito simples e facilmente reconhecido no dia-a-dia das pessoas. O insight é uma espécie de ‘dar-se conta inesperado’. De repente, descobrimos a solução de um problema, lembramo-nos de algo perdido ou esquecido, ou compreendemos uma situação ou uma informação.

    Esse ‘estalo’ pode acontecer quando estamos buscando respostas ou quando menos esperamos, em momentos em que a mente está descansada e não estamos concentrados na informação em questão.

    Vaso de Rubin
    Vaso de Rubin

    Um exemplo: você está tentando resolver um problema de matemática há horas, e acaba por deixá-lo de lado. Repentinamente, você descobre a solução. Outro exemplo: você tem um trabalho da faculdade para fazer, não sabe como começar, pensa em mil maneiras, mas nenhuma é do seu agrado. Passado algum tempo, surge uma ideia maravilhosa.

    Unidade 3

    Os exemplos anteriores mostram algumas das características da aprendizagem por insight: Tudo o que foi vivido anteriormente é subsídio. Há uma contínua organização e elaboração das vivências. A percepção da totalidade da situação deixa claro quais são os dados mais significativos e a resposta, ou o aprendizado aparece quando as informações se conectam e fazem sentido.

    Em relação ao contexto escolar, a Gestalt amplia a aprendizagem, estimula outras dimensões do ser humano que, sendo uma totalidade complexa, não pode restringir seu potencial apenas à dimensão cognitiva.

    Para entendermos a visão holística e humanista dessa teoria é preciso saber que ela,

    “(...) é uma forma de devolver ao homem toda sua dignidade, seu direito ao respeito em todas as suas dimensões: direito de valorizar seu corpo e suas sensações, satisfazer suas necessidades vitais fundamentais, expressar suas emoções, direito de construir sua unicidade, respeitando a especificidade de cada um (...); direito de desenvolver-se e realizar-se, sem limitar-se ao ter e ao fazer, de criar seus próprios fins (...), de elaborar seus próprios valores individuais, sociais e espirituais”. (GINGER, 1995, p. 97)

    Como podemos perceber a aprendizagem, nesta perspectiva teórica, exige uma postura diferenciada do professor, da escola, dos pais, e das políticas públicas de educação.

    Portanto, é preciso refletir se essas dimensões estão incluídas em nossos objetivos educacionais e como fazer para lhes darmos espaço.

    Teoria de campo

    A teoria de campo tem forte relação com a teoria da Gestalt, foi formulada por Kurt Lewin (1892-1947), psicólogo alemão – americano, e é umas das bases teóricas dos estudos sobre processos grupais. Como na maioria das culturas, a aprendizagem escolar em nosso país se dá em salas composta por várias pessoas, ou seja, em grupo, conhecer melhor essa teoria poderá ser útil na atuação dos educadores.

    Para começar precisamos compreender o que é grupo:

    “Ele é o resultado de uma integração íntima e de certa forma fusão de individualidades em um todo comum, de tal modo que a meta e a finalidade do grupo são a vida em comum, objetivos comuns e um sentimento de pertencimento, com um sentimento de simpatia e identidade.” (RIBEIRO, 1994, p.33).

    A teoria de campo entende que no grupo a realidade está em constante movimento, sendo influenciada por subsistemas (indivíduos que fazem parte do grupo) que também se influenciam mutuamente. Além disso, o campo possui três aspectos interligados a serem observados.

    Unidade 3

    Ainda segundo Ribeiro (1994, p. 63), o aspecto geográfico é a realidade em si, o psicológico se refere à significação que determinada realidade tem para os sujeitos, e o comportamental tem relação com os dois anteriores, o que equivale dizer que os modos de ser e de estar das pessoas dependem da realidade onde estão inseridas e dos sentimentos e afetos envolvidos.

    Em termos de aprendizagem faz-se necessária a compreensão, por parte do professor, que o comportamento de determinado aluno nunca é isolado e, ao mesmo tempo, revela significações psicológicas subjetivas. É preciso acolher o indivíduo, tentando entender seu comportamento sem perder de vista a relação comportamento individual - campo. São essas inter-relações que vão afetar a qualidade da aprendizagem.

    Lindgren (op. cit., p. 42) apresenta o seguinte exemplo: "Simone estava aflita e infeliz no primeiro dia de aula no Jardim de Infância. Ela havia imaginado a escola como uma experiência agradável e excitante, mas, ao invés disso, estava confusa, deprimida e ansiosa. Durante os primeiros dias, ficou grudada à professora, recusou-se a participar dos jogos e atividades e ficou a maior parte do tempo chupando o dedo, coisa que não fazia desde os três anos. No começo da segunda semana, entretanto, ela começou a corresponder às sugestões da professora de que poderia gostar de brincar de casinha com outras meninas, e, depois de alguns dias, estava gostando do Jardim de Infância como qualquer outra criança".

    Inicialmente, Simone percebeu a escola como uma situação ameaçadora, cheia de perigos desconhecidos, e manteve-se ansiosa, junto à professora, como teria permanecido junto à mãe. Quando conseguiu organizar um quadro da nova situação, desenvolvendo o conceito de si mesma como aluna de Jardim da Infância, passou a comportar-se mais de acordo com essa realidade e sentiu-se mais segura. Agiu de maneira correta a professora, que não fez muita pressão para que Simone participasse intensamente das atividades junto com outras crianças, pois entendeu que o comportamento de Simone era normal nos primeiros dias de escola.

    A conclusão de Lindgren é a seguinte: "O fato é que o comportamento da criança é determinado por sua percepção de si própria e do mundo que a rodeia. Se esta percepção se modifica, muda também seu comportamento. Por mais que o desejam, os professores não podem transmitir conceitos diretamente às crianças, insistindo, por exemplo, para que se tornem mais maduras e realistas em suas atitudes. Usualmente, essas sugestões diretas servem apenas para fortalecer as atitudes imaturas que estão interferindo no desenvolvimento de conceitos mais realistas e consequentes comportamentos".

    Dar atenção ao campo em uma sala de aula significa ampliar e ao mesmo tempo focar a visão para perceber todas as variáveis que influenciam a aprendizagem de todos os aprendizes e de cada um deles, especificamente.

    Unidade 3

    Teoria cognitiva

    A teoria cognitiva, elaborada inicialmente por John Dewey e depois por Jerome Bruner concebe a aprendizagem como solução de problemas. É por meio da solução dos problemas do dia-a-dia que os indivíduos se ajustam a seu ambiente. Da mesma forma deve proceder a escola, no sentido de desenvolver os processos de pensamento do aluno e melhorar sua capacidade para resolver problemas do cotidiano.

    Como a escola pode fazer isso?

    É Dewey quem responde: "A criança não consegue adquirir capacidade de julgamento, exceto quando é continuamente treinada a formar e a verificar julgamentos. Ela precisa ter oportunidade de escolher por si própria e, então, tentar pôr em execução suas próprias decisões, para submetê-las ao teste final, o da ação" (apud: Lindgren, H. C. Op. cit., p. 253).

    Dewey foi um professor preocupado com os problemas práticos do ensino e defendia o ponto de vista de que a aprendizagem deveria aproximar-se o mais possível da vida prática dos alunos. Isto é, se a escola quer preparar seus alunos para a vida democrática, para a participação social, deve praticar a democracia dentro dela, dando preferência à aprendizagem por descoberta.

    Vamos observar seis passos característicos do pensamento científico: apontados por Dewey :

    1.º Tornar-se ciente de um problema. Para que um problema comece a ser resolvido, é preciso que seja transformado numa questão individual, numa necessidade sentida pelo indivíduo. O que é problema para uma pessoa pode não ser para outra. Daí a importância da motivação. Na escola, um problema só será real para o aluno quando sua falta de resolução constituir fator de perturbação para ele.

    2.º Esclarecimento do problema. Este passo consiste na coleta de dados e informações sobre tudo o que já se conhece a respeito do problema. É uma etapa importante, que permite selecionar a melhor forma de atacar o problema, e que pode ser desenvolvida com auxílio de fichas, resumos, etc., obtidos de leituras e conversas sobre o assunto.

    3.º Aparecimento das hipóteses. Uma hipótese é a suposição da provável solução de um problema. As hipóteses costumam surgir após um longo período de reflexão sobre o problema e suas implicações, a partir dos dados coletados na etapa anterior.

    4.º Seleção da hipótese mais provável. Depois de formulada, a hipótese deve ser confrontada com o que já se conhece como verdadeiro sobre o problema. Rejeitada uma hipótese, o indivíduo deve partir para outra. Assim, por exemplo, se o carro não dá partida, posso levantar as seguintes hipóteses: a bateria está descarregada, falta gasolina, há problemas no platinado, etc.

    Unidade 3

    Essas hipóteses podem ser descartadas, à medida em que o motorista lembrar-se de que a bateria foi verificada, de que colocou gasolina, de que o platinado está relativamente novo, etc.

    5.º Verificação da hipótese. A verdadeira prova da hipótese considerada a mais provável só se fará na prática, na ação. Isto é: se a hipótese final do motorista atribuía o problema do carro ao platinado, o passo seguinte será verificar o estado da peça. Se o carro não der partida após a troca do platinado gasto, o indivíduo vai formular nova hipótese e poderá chegar a redefinir seu problema, pois a solução de problemas ocorre em movimento contínuo, que percorre seguidamente uma série de etapas.

    6.º Generalização. Em situações posteriores semelhantes, uma solução já encontrada poderá contribuir para a formulação de hipótese mais realista. A capacidade de generalizar consiste em saber transferir soluções de uma situação para outra.

    Da teoria cognitiva emergem algumas considerações importantes. Vejamos:

    • Convém estimular o aluno à solução de problemas que o ensino da sala de aula seja o mais aproximado possível da realidade em que vive o aluno, a fim de que ele aprenda na prática e aprenda a refletir sobre a sua própria ação.

    Sobre isso, Lindgren relata um exemplo interessante: "Uma pessoa que visitava uma turma de quarto ano perguntou às crianças”:

    - O que vocês fazem quando, ao andar pelo corredor, veem um pedaço de papel no chão?

    Todas as crianças sabiam a resposta:

    - A gente o apanha e põe no cesto do lixo.

    “Alguns minutos mais tarde, soou o sinal de recreio e as crianças saíram depressa para brincar, passando pelo corredor que levava ao pátio. O corredor estava cheio de papel picado (posto pelo visitante). Havia um cesto de lixo por perto. Nenhuma criança parou para pegar o papel". (Op. cit.,p. 219)

    • Convém que o professor estimule a criança a não ficar na dependência dos livros, do professor, das respostas dos outros. Convém educá-la para que ela mesma encontre suas respostas. Para o futuro, é muito mais educativa uma solução de um problema real, à qual a criança chegou por conta própria, do que a memorização de dez soluções apresentadas pelo professor. No entanto, a fim de que o aluno desenvolva seu raciocínio, convém que seja motivado para isso, que tenha oportunidade de raciocinar. Contribui nesse sentido a apresentação da matéria em forma de problemas a serem resolvidos e não em forma de respostas a serem memorizadas.

    Unidade 3

    • Outra contribuição que o professor pode dar para desenvolver o espírito científico consiste na utilização de uma linguagem acessível ao estudante, próxima de sua linguagem habitual. Isso é necessário para que o aluno entenda o problema, saiba do que se trata. Veja o seguinte exemplo:

    "Uma amiga, ao visitar uma escola, recebeu um convite para examinar os alunos de geografia. Depois de olhar um pouco o livro, perguntou:

    - Suponha que você abra um buraco no chão e chegue a uma grande profundidade. Como seria o fundo do buraco? Seria mais quente ou mais frio que a superfície?

    Como ninguém na classe respondeu, a professora disse:

    - Eu estou certa de que eles sabem, mas você não perguntou corretamente. Vou experimentar.

    Pegou então o livro e perguntou:

    - Em que condição está o interior do globo?

    Recebeu a imediata resposta de metade da classe:

    -O interior do globo está numa condição de fusão ígnea”.

    (James, W. Apud: Mouly, G. J. Op. cit., p. 310).

    Esse exemplo mostra que metade dos alunos havia memorizado a resposta, mas, aparentemente, ninguém havia entendido seu significado.

    • O trabalho em grupo favorece o desenvolvimento da capacidade para solucionar problemas, pois permite a apresentação de hipóteses mais variadas e em maior número.
    • A direção autoritária da classe, em que o professor manda e os alunos só obedecem, prejudica o desenvolvimento do raciocínio: se os alunos não participam da formulação do problema, é natural que tendam a atribuir ao professor a responsabilidade pela solução. Os alunos tornam-se, nesta situação, dependentes das respostas do professor, ao invés de desenvolverem sua criatividade.

    Teoria Fenomenológica

    Para entendermos melhor como esta teoria se aplica à aprendizagem, vejamos este pequeno texto que oferece uma síntese da base filosófica da fenomenologia.

    Unidade 3

    Fenomenologia

    Antes de falar em fenomenologia, é importante entendermos que a ciência do século XIX foi influenciada pelas ciências naturais, especialmente, no que se refere à utilização do método objetivo e experimental. Pensar em objetividade na ciência implica em uma separação clara entre sujeito e o mundo, entre aquele que faz ciência (sujeito) e seu objeto de estudo (mundo). Esta certeza quando se trata de ciências humanas, especialmente, da psicologia, assim como da educação significa que o ser humano passa a ser considerado um objeto.

    Mas, como tratar o ser humano apartado de sua humanidade? A única forma seria pensar um ser humano desapropriado de sua subjetividade, o que parece ser uma grande incoerência.

    Esta dicotomia sujeito x objeto nega a existência da interdependência entre objetividade e subjetividade. Trazendo para a educação e, mais especificamente, para a aprendizagem, o sujeito estaria separado do seu objeto de aprendizagem.

    O filósofo Edmund Husserl (1859- 1938) não só discordou da ideia de que sujeito e objeto sejam puros um em relação ao outro, como propõe a Fenomenologia como método a ser utilizado pelas ciências humanas. Neste método, o distanciamento desaparece e há o reconhecimento de um imbricamento entre ambos.

    Husserl usa os conceitos de consciência e de intencionalidade para deixar clara esta relação de imbricamento. A intencionalidade se refere ao fato de que a consciência está voltada para algo, que para ela, é dotado de um sentido. “O homem é um ser consciente e que a consciência é sempre intencional” (HUSSERL, 1901 apud FORGHIERI, 1984, p.15), ou seja, a consciência (sujeito) é sempre a consciência de algo (objeto), não há como separar.

    Husserl (1901, apud FORGHIERI, 1984) diz que o fenômeno pode ser conhecido em sua essência de forma objetiva e categorial.

    A forma objetiva é a que atende às necessidades e características das ciências naturais. Nesta forma, é possível haver um distanciamento entre sujeito e objeto, a reflexão é o instrumento que norteia a investigação da verdade. Podemos dizer que esta forma corresponde ao método experimental.

    Por forma categorial entendemos como sendo a percepção do próprio instante vivido em sua imediaticidade e potência. Instante em que não se pensa sobre o que se vive..., apenas se vive.

    É o que acontece antes de se pensar, é a pré-reflexão. Quando não há cultura, não há passado, nem futuro. Há um presente que é ‘totalidade’, onde o lugar é a imensidão do espaço de uma existência. “A vivência é o instante vivido de um mundo vivido” (DILTHEY, 1978, apud GÓIS 1995, p.69). Esta forma corresponde ao método fenomenológico.

    Unidade 3

    O filósofo Merleau-Ponty (1908-1961) tem um pensamento semelhante ao de Husserl, no sentido de se contrapor ao pensamento dualista na relação sujeito x mundo, mas discorda dele no que se refere ao método da redução fenomenológica. A redução é a suspensão de julgamento, ou distanciamento entre a pessoa e o objeto com a qual ela entra em contato.

    Embora seu conceito esteja na direção dos conceitos de Husserl para M. Ponty sujeito e mundo estão mais que interligados e representam juntos, mais do que um ser-no-mundo. Sua percepção se aprofunda: é como se sujeito e mundo fossem constituídos um pelo outro e vice versa, de uma forma tão irredutível que podemos dizer que o “ser é mundo” ou, usando o termo que ele mesmo usa, o ser é “mundano”.

    A ideia de Merleau-Ponty sobre o ser mundano radicaliza o conceito de homem e de mundo e da relação entre eles. Como nos diz Leitão (1990) é um pensamento que vê o ser humano entrelaçado ao mundo e este naquele a ponto de transcender a pura individualidade.

    É como nas pinturas de Cézanne (1939-1906), onde não há contornos limitando as formas e as cores, o que há é movimento. Para ele a redução completa é algo improvável, pois temos uma existência permeável ao mundo, não sabemos ao certo onde começa o ser, onde começa o mundo. Somos visíveis e vemos. Somos constituídos em fusão, somos uma sustância única, mas podemos usar nossa capacidade de privilegiar o mundo ou o sujeito de acordo com a situação, como é caso de uma relação psicoterapêutica ou de aprendizagem.

    Obra de Cézanne. Dahlias

    Portanto, aplicando esta teoria à aprendizagem podemos entender que aprendiz e aprendizagem tanto estão juntos como se constituem mutuamente. Não há uma incorporação ou inclusão de conteúdos na mente do aprendiz, mas uma mistura de limites em que o sujeito é o conteúdo que aprende e o aprendido forma a identidade do sujeito.

    Fenomenologia e Aprendizagem

    Podemos usar a lente da fenomenologia e entender a aprendizagem da seguinte forma:

    1. O aprendiz não está separado do seu objeto de aprendizado (relação consciência e intencionalidade). A partir do momento que tomamos consciência (sabemos da existência) de algo, esse algo passa a existir. Isso implica que o ser está aberto para o mundo, o aprendiz está aberto para aprender.
    2. O momento da aprendizagem é vivencial. O sujeito mais do que pensa sente que aprendeu. O conteúdo é incorporado e não pensado. Alguém que está envolvido em descobrir algo apresenta mudanças no ânimo na fisionomia, e pode apresentar alterações fisiológicas, como diminuição do sono e da fome.

    Unidade 3

    1. O sujeito que aprende não é tão somente alguém que vive no mundo. O mundo o constitui e ele constitui o mundo. Não há um distanciamento, como alguns métodos educacionais nos fazem acreditar. Todo o conteúdo a ser aprendido faz parte de sua humanidade e não há uma linha clara que separe o aprendiz das coisas do mundo que ele precisa aprender. Os conteúdos já estão em contato com o aprendiz basta que o professor o ajude a reconhecê-los e entendê-los melhor.

    Então, o que é possível fazer para facilitar aprendizagem, a partir da própria experiência da criança? Snygg e Combs, representantes da teoria fenomenológica, apresentam algumas sugestões (apud: LINDGREN. op. cit., p. 254 e 259):

    • Proporcionar aos estudantes oportunidades de pensar por si próprios, por meio da criação de um clima democrático na sala de aula, de maneira que os alunos sejam encorajados a expressar suas opiniões e a participar das atividades do grupo.
    • Dar a cada estudante a oportunidade de desenvolver os estudos de acordo com seu ritmo pessoal. O êxito e a aprovação devem ser baseados nas realizações de cada um.
    • A escola deve considerar o impulso universal de todos os seres humanos no sentido de concretizar suas próprias potencialidades, e não reprimir tal impulso, prendendo-o à competição artificial e ao sistema rígido de notas.

    Teorias da Aprendizagem

    Nesta videoaula a professora Nila Mara Psicóloga e Especialista em Educação, fala sobre o processo escolar de aprendizagem, e indaga porque há tanta diferença no desempenho da aprendizagem, e porque uns aprendem mais e outros aprendem menos e apresenta situações que representam as teorias apriorista e empirista.

    Teorias da Aprendizagem (continuação)

    A professora Nila faz um breve resumo sobre as teorias do processo de aprendizagem apriorista e empirista e fala da teoria interacionista apresentando uma situação em que você refletirá como o aluno poderá vir aprender de forma prazerosa.

    A professora explica qual deve ser a postura do professor no processo ensino aprendizagem, aborda o incentivo da convivência com as diferenças e a formação de cidadãos com atividades vivenciadas que são capazes de transformar a realidade social.

    Teorias da aprendizagem

    4

    Conhecimentos

  • Conhecer o conceito e a função da motivação.
  • Habilidades

  • Identificar o que motiva a aprendizagem das pessoas.
  • Atitudes

  • Agir motivado em sua prática como estudante e futuro educador.
  • Unidade 4

    Conceito de Motivação da Aprendizagem

    Você sabe o que significa motivação da aprendizagem?

    Motivação da aprendizagem significa causar ou produzir aprendizagem estimulando a criança despertando o interesse ou entusiasmo pela mesma.

    A psicologia estuda a motivação com o intuito de conhecer o porquê das ações que são causadas por dois tipos de forças: fisiológicas e as sociais.

    Exemplo de forças fisiológicas que levam ao comportamento do ser humano: fome, sono, doença, entre outros.

    Há também forças sociais que levam os seres humanos a agir como, por exemplo:

    O desejo de agradar as pessoas com as quais a criança convive.

    Usa-se, portanto, a palavra “motivo” na psicologia quando se refere ao comportamento humano.

    Mas, afinal você sabe o que é motivar?

    Unidade 4

    Motivo e Incentivo

    Motivar é uma ação interna. É o indivíduo que busca em seus desejos, sonhos, habilidades o que o mobiliza para a ação. A motivação é uma força pessoal que poderá e/ou deverá ser incentivada por ações do mundo externo (estímulo), como professores, salas de aula, materiais, equipamentos, colegas, família, dentre outros, para potencializar a ação.

    Incentivar ou estimular é qualquer ação externa ao sujeito que poderá ajudá-lo a desenvolver uma ação. Todavia a grande função do incentivo é fazer que o sujeito faça contato com aquilo que realmente o mobiliza. O sujeito assim percebe o que o motiva e age em uma função dessa força que o impele a agir.

    Muitas vezes, as pessoas incentivam, estimulam, mas o sujeito não consegue alcançar o objetivo esperado. Se o incentivo não fizer o sujeito entrar em contato com o seu motivo para a ação (motivação), de nada adiantará.

    No nosso caso, a ação é aprender. Portanto, cada pessoa precisa identificar o que deseja aprender, saber o que lhe mobiliza, o que quer descobrir ou resolver para que assim obtenha sucesso.

    O termo ‘motivação’, segundo SOUSA (1988), designa o estudo físico-psicológico interior do estudante; estado de tensão energética resultante em sua consciência de fortes motivos que o impele a agir, a estudar, a cumprir com suas tarefas e dedicação.

    O professor, portanto, deve conhecer a realidade da criança, suas aspirações, sua realidade social, seu comportamento, sua história de vida, todos os aspectos que a envolvem, a fim de criar meios que facilitem sua aprendizagem, tornando-a significativa e prazerosa.

    • Motivos: é toda condição intrínseca que determina uma atividade. Exemplos de motivos: fome, sede.
    • Incentivo: é toda condição extrínseca que estimula uma atividade. Exemplos de incentivo: prêmio, castigo.

    Portanto, o motivo é força interna, pertence ao desejo.

    O incentivo é força externa capaz de despertar o motivo. Elogio, censura, punição, prêmios, notas, castigos, entre outros são exemplos de incentivos.

    Aspectos da motivação na aprendizagem

    Fatores Positivos:

    • Curiosidade (instinto exploratório): a criança saudável possui uma força que a leva a procurar os sons, as imagens, os objetos em movimento. Ela busca naturalmente descobrir e interagir com o mundo.

    Unidade 4

    • Desejo de atingir objetivos: toda criança tem desejos (a serem realizados), sonhos, necessidade e busca satisfazê-los, precisando de um mediador que a oriente. Ex: o que impulsiona uma criança de 2 (dois) anos a aprender a abrir uma garrafa de água é a sua sede.
    • Consciência de seu dever: a necessidade de que precisa estudar para o seu próprio crescimento e não para o outro. Essa consciência só acontece em faixa etária maior, e pode até nem acontecer.
    • Desejo de sobressair: necessidade de se destacar por mérito próprio e não para sobrepor-se aos colegas. Podemos chamar também de desejo de autorrealização.
    • Desejo de ser elogiado: a criança sente prazer em ouvir elogios de seus professores, de seus pais, amigos, entre outros. Podemos chamar de desejo de reconhecimento.
    • O diálogo abre horizontes: o se humano é um ser social e a forma básica de interação social é a comunicação, o diálogo entre as pessoas. A mobilização das crianças para conversar pode ser algo positivo e até facilitar a aprendizagem, cabe ao educador saber usar esse potencial e não simplesmente reprimi-lo.

    É interessante notar que esses aspectos têm forte relação com a teoria de Abraham Maslow (1908-1970), psicólogo americano, para quem o ser humano tem de modo hierarquizado cinco necessidades básicas a serem satisfeitas em toda a sua existência. São consideradas necessidades primárias as fisiológicas, de segurança, e secundárias as de socialização, reconhecimento e autorrealização.

    Ginger (1995, p.97) destaca que Maslow organizou em 1954 seu pensamento de modo didático em uma pirâmide conhecida como Pirâmide das Necessidades organizada, da base ao cume, da seguinte forma:

    • Necessidades fisiológicas ou orgânicas (respiração, sede, fome, excreções, sexo, etc);
    • Necessidade de segurança ou de proteção (material e psicológica);
    • Necessidades sociais (de amor, família e de participação);
    • Necessidade de estima (reconhecimento da competência, prestígio, sucesso);
    • Necessidade de realização pessoal ( de seu potencial, alcance dos objetivos existenciais).

    Apresentamos essa teoria, pois ela esclarece que forças são essas que constituem a motivação e fortalece seu conceito como um impulso interno, diríamos até visceral que leva o sujeito a agir.

    Motivação- Positiva e Negativa

    • Motivação Positiva: são as inclinações pessoais da criança, a sua competência para determinadas atividades saudáveis e que amplia seu desenvolvimento. Exemplo: é o caso da criança que gosta de desenhar por sentir verdadeiro prazer pela pintura.

    Unidade 4

    • Motivação Negativa: são as inclinações que não são adequadas à saúde e à proteção da própria criança ou de outras pessoas, animais, ou objetos. Exemplo: uma criança que deseja maltratar um animal. Nesses casos é bom que pais e professores fiquem atentos ao comportamento dessa criança.

    Inteligências

    5

    Conhecimentos

  • Conhecer e conceituar as múltiplas inteligências.
  • Habilidades

  • Identificar as diversas inteligências na atuação das pessoas.
  • Atitudes

  • Desenvolver as inteligências múltiplas no contexto de aprendizagem.
  • Unidade 5

    Inteligência ou Inteligências?

    O ser humano, fazendo uso de diversas potencialidades, vem construindo a história da humanidade e gerando desenvolvimento em todas as áreas do conhecimento. São suas potencialidades físicas, cognitivas, sociais, dentre outras, com origem em processos mentais ou psicológicos, que possibilitam tal desempenho.

    A psicologia, enquanto ciência humana estuda a mente, o comportamento das pessoas e se apoia na compreensão de categorias como sensação, percepção, atenção, inteligência, memória, linguagem, aprendizagem e emoção.

    É a partir desses processos psicológicos básicos que o ser humano consegue interagir consigo mesmo e com os outros. Estes são organizados segundo Levi Vigotsky em dois tipos de funções mentais: as inferiores e as superiores. São considerados processos psicológicos elementares ou inferiores aqueles que têm um caráter mais biológico, ou seja, têm um padrão que se repete e que se apresenta de forma orgânica tanto nos seres humanos como nos animais. São exemplos de funções mentais inferiores a sensação e a percepção.

    São considerados processos psicológicos superiores, embora não prescindam do aparato biológico em sua estruturação e desenvolvimento, as funções ligadas à interação social como linguagem, aprendizagem e a inteligência.

    Portanto, estes últimos têm um aspecto de maior variabilidade, singularidade e se constituem como uma dimensão cultural inerente aos seres humanos.

    Sabemos que há fatores neurológicos, neuronais, fisiológicos ligados à inteligência, mas o aspecto da interação social nos faz repensar o que, durante muito tempo fomos levados a acreditar: que existem, dentro do padrão de normalidade, pessoas que já nascem inteligentes e outras não.

    Para Binet & Simon, estudiosos que estruturam os primeiros testes de inteligência, o Quoeficiente de Inteligência - QI conseguia medir a inteligência de uma pessoa. Para eles a inteligência é constituída como um atributo mental que pode ser medido através de um teste, que privilegia apenas a cognição.

    Mas, se a inteligência, enquanto uma função superior, é influenciada pela interação sujeito-mundo com seus vários estímulos e se cada sujeito é único em sua historicidade e subjetividade, podemos admitir que existem tanto diferentes níveis como diferentes tipos de inteligência.

    Nessa direção Howard Gardner desenvolveu sua teoria chamada de Inteligências Múltiplas que esclarece a diversidade de atributos da inteligência.

    Unidade 5

    "(...) existem evidências persuasivas para a existência de diversas competências intelectuais humanas relativamente autônomas abreviadas daqui em diante como 'inteligências humanas'. Estas são as 'estruturas da mente' do meu título. A exata natureza e extensão de cada 'estrutura' individual não é até o momento satisfatoriamente determinada, nem o número preciso de inteligências foi estabelecido. Parece-me, porém, estar cada vez mais difícil negar a convicção de que há pelo menos algumas inteligências, que estas são relativamente independentes umas das outras e que podem ser modeladas e combinadas numa multiplicidade de maneiras adaptativas por indivíduos e culturas." (GARDNER, 1994, p.7 apud STREHL, 2000, p.1).

    As sete inteligências destacadas por Gardner (1994) são:

    Inteligência Linguística Capacidade de criar formas de linguagem. Em todas as sociedades as crianças inventam de modo espontâneo, formas criativas de se comunicar. Elas criam palavras, gestos e sons novos e até conceitos inimagináveis.
    Inteligência Lógico Matemática Capacidade de racionar de modo lógico, rápido e eficiente, sem muito esforço. Geralmente, é a inteligência mais valorizada.
    Inteligência Espacial Capacidade de se localizar sem utilizar instrumentos/equipamentos como bússola ou mapas, utilizando-se apenas dos sinais naturais como estrelas. Ou visualizar imagens na mente em ângulos diferentes.
    Inteligência Musical Capacidade de aprender a tocar diversos instrumentos musicais, de reconhecer notas musicais com pouco tempo de contato e de criar composições.
    Inteligência Corporal Cinestésica Capacidade de percepção gestáltica (aqui e agora) do corpo e de seus movimentos. É a habilidade de reconhecer quais as necessidades que devem ser atendidas e as potencialidades a serem desenvolvidas para uma maior adaptação.
    Inteligência Intrapessoal Capacidade de autoconhecimento. Acima de tudo, é a habilidade de perceber suas emoções, seus desejos, suas fragilidades, quais potencialidades e principalmente, habilidade de utilizá-las de modo saudável para si mesmo e, consequentemente, com os outros.
    Inteligência Interpessoal Capacidade empática, ou seja, de compreender as intenções, expectativas e desejos dos outros, mesmo que não sejam verbalizados e saber utilizar esta compreensão em prol da relação. É importante notar que essa inteligência terá efetividade se a inteligência intrapessoal for desenvolvida.

    Além destas inteligências, outras são citadas por vários estudiosos. De modo sucinto, citaremos mais duas: Inteligência Emocional (Daniel Goleman, 1995) e Inteligência Afetiva (Ruth Cavalcante, 1999).

    A Inteligência Emocional enfatiza os aspectos biofisiológicos das emoções e a possibilidade do controle, por parte do sujeito, das manifestações de suas emoções. São consideradas emoções básicas humanas: raiva, alegria, tristeza e medo. Todas elas produzidas, segundo as teorias neuropsicológicas a partir da fisiologia dos órgãos e da produção de substâncias psicoativas naturais como os hormônios.

    Unidade 5

    Segundo a teoria da Inteligência Emocional é possível desenvolver a habilidade de controlar as emoções e utilizá-las de modo proveitoso tanto no ato de aprender como em outros aspectos de sua vida.

    A Inteligência Afetiva se coloca como um facilitador do processo de aprendizagem e da expressão das formas afetivas com o objetivo de formação de vínculo. Quanto mais se desenvolverem nas pessoas a habilidade de formar vínculos, mais prazerosos serão os ambientes e as situações que se apresentarão e os retornos serão mais satisfatórios.

    Especificamente, no ambiente de sala da aula, o clima de confiança e de cuidado recíproco desbloqueiam as tensões, diminuem o clima de competição e o medo de errar. Em um clima relaxado, as conexões neurológicas se dão de forma mais rápida e consistente e o conteúdo é muito mais facilmente captado pelos alunos.

    Mas, você sabe a diferença entre emoção e afetividade? Será que tem o mesmo significado?

    Ao falarmos em inteligência emocional e afetiva, é possível que surja uma confusão entre significados das palavras emoção e afeto ou até uma tendência a julgá-las sinônimas. Henri Wallon (1879-1962), estudioso da afetividade e da emoção nos ajuda a compreender os dois termos e a organizar algumas características de ambas.

    A emoção se refere ao sentimento que se dá de forma fortuita, por algum acontecimento significativo, esperado ou não e gera sensações corporais perceptíveis como suores, tremores, palpitações, desmaios, gagueiras, entre outras. A emoção tem um tempo curto de duração e suas manifestações em termos de sensações sensoriais e físicas tendem a desaparecer à medida que o tempo vai passando, como, por exemplo, o medo em uma situação de perigo, a alegria no encontro com grandes amigos.

    O afeto ou a afetividade, geralmente, é a transformação de alguma emoção. Antes do afeto, há a emoção, algo que nos mobiliza e que nos desperta para estar no presente. É o sentimento que permanece por muito mais tempo, por exemplo, o amor, a amizade, a solidariedade, a compaixão. Estes são sentimentos que podem seguir na vida das pessoas até que estas morram.

    A afetividade é mais consistente e vai se nutrindo dos fatos, da convivência. Suporta situações adversas e distâncias geográficas. Podemos amar alguém que não nos ame; podemos ser amiga de uma pessoa mesmo que ela esteja em outro continente.

    Para você entender como se dá a aprendizagem requer compreender que há diversas formas de inteligência e, principalmente, que os sujeitos são singulares. Cada um com sua subjetividade, historicidade, carga genética e motivações que influenciam sobre maneira seu desempenho escolar e sua vida de um modo geral.

    Unidade 5

    Ao buscarmos melhores resultados na aprendizagem precisamos dar atenção a essas teorias e refletir sobre a complexidade e, paradoxalmente, sobre a simplicidade, ambas, características inerentes do ato de aprender/ensinar.

    Lev Vygotsky

    A professora Nila Mara nesta videoaula explana a teoria do psicólogo Lev Vygotsky que contribuiu no tema desenvolvimento da inteligência. A teoria de Vygotsky é interacionista e dentro desta teoria ele fala de algumas categorias importantes. E ainda traz um questionamento será que na interação social as potencialidades humanas são desenvolvidas?

    É explanado sobre o nível de desenvolvimento real, nível de desenvolvimento potencial e a zona de desenvolvimento proximal dentro da realidade escolar. Diante desta videoaula faça uma reflexão de como você um futuro educador deve agir para que seus alunos possam aprender?

    Sociedade e Cultura

    6

    Conhecimentos

  • Conhecer e conceituar sociedade e cultura com suas peculiaridades.
  • Habilidades

  • Identificar as fases de desenvolvimento em qualquer cultura.
  • Atitudes

  • Estabelecer um parâmetro de aprendizagem; Fornecer aos estudantes subsídios favoráveis ao conhecimento desta área.
  • Unidade 6

    O desenvolvimento social deve caminhar no sentido da democracia e compete a escola e ao professor propiciar a socialização que implica na decisão em comum acordo na corresponsabilidade pelas regras que as crianças seguirão.

    Entre os fatos sociais compartilhados na escola estão: regras, valores, normas que variam de grupo para grupo, de comunidade para comunidade, de acordo com a realidade local onde vivem e convivem.

    Segundo Piaget (1980) o ser humano passa pelas seguintes fases durante o seu desenvolvimento em qualquer cultura:

    a) Anomia: Ausência de normas. A criança considera que tudo existe em função dela, portanto as normas não são necessárias. Tem a ilusão que tudo é feito por um adulto significativo em prol dela. Por exemplo: “a árvore foi feita pelo meu pai.”

    b) Heteronomia: A norma é feita pelo ‘outro’. Etapa onde a criança aceita normas; copia as condutas do adulto que mais admira.

    c) Autonomia: Capacidade de criar as próprias regras de conduta. O ser humano atinge quando chega ao período das abstrações tendo participação ativa na elaboração de regras comuns para o grupo.

    Conhecimento

    O conhecimento no ser humano é essencialmente ativo. Conhecer um objeto é agir sobre ele e transformá-lo. Conhecer é, pois, assimilar o real às estruturas de transformações e elas são elaboradas pela inteligência enquanto prolongamento da ação.(Piaget,1970.p.30)

    Quanto à aquisição do conhecimento, Piaget admite duas fases:

    a) Fase exógena: fase da cópia, da repetição.

    b) Fase endógena: fase da compreensão das relações, das combinações.

    Educação

    Para Piaget (1970), a educação é um todo indissociável, considerando-se dois elementos fundamentais: o intelectual e o moral.

    A educação é condição formadora necessária ao desenvolvimento natural do ser humano. Valores como cooperação, aprender com o erro, solidariedade, respeito às diferenças, embora tenham valor moral e racional raramente são assegurados pela autoridade do professor ou pelas lições, informações sociais que ele possa sugerir ou apresentar, mas pela vida social entre as próprias crianças.

    Unidade 6

    O respeito mútuo irá aos poucos substituindo a heteronomia característica de um respeito unilateral, por uma autonomia, considerando-se como dos pontos de vista e ações entre os membros do grupo.

    Uma educação assim concebida é a que procurará levar as crianças buscar novas soluções, criar situações que exijam o máximo de exploração por parte deles e estimular as novas estratégias de compreensão da realidade. (Piaget, 1970)

    Escola

    A escola deve dar oportunidade a criança de construir seu conhecimento, de investigação individual, de ação motora, verbal e intelectual que possa, posteriormente, intervir no processo sócio-cultural possibilitando-lhe todas as tentativas oferecendo-lhe liberdade de ação em estágio operatório em um processo de equilíbrio – desequilíbrio.(Piaget,1970)

    Ensino – Aprendizagem

    A concepção piagetiana de aprendizagem tem caráter de inúmeras possibilidades de novas indagações. Aprender implica assimilar o objeto a esquemas mentais. Esse conceito inclui num processo mais amplo de estruturas mentais assim construindo a sua Teoria denominada Epistemologia Genética.

    A aprendizagem verdadeira se dá quando a criança elabora seu conhecimento relacionado com as informações no decorrer do seu desenvolvimento.

    A inteligência é o instrumento de aprendizagem mais necessário. O ensino, portanto, consiste na organização dos dados da experiência, de forma a promover um nível desejado de aprendizagem.

    Professor – Aluno

    Cabe ao professor criar situações que estabeleçam reciprocidade intelectual e cooperação ao mesmo tempo moral e racional para os estudantes. Evitando a rotina, fixação de respostas prontas, o professor colaborará para que as crianças levantem hipóteses diante de situações novas sem ensinar-lhes soluções. Nesta proposta ele (professor) provoca desequilíbrios, desafios, orienta a criança e lhe concede ampla margem de autocontrole e possibilidade de chegar à autonomia.

    A criança deve assumir o papel de investigadora, pesquisadora e o professor o papel de coordenador, orientador, levando-a a “trabalhar” o mais independente possível.

    Explicando melhor com a pesquisa

    Caro estudante, sugerimos a leitura do artigo Psicologia e educação: hoje e amanhã de José Fernando Bitencourt Lomônaco, onde o mesmo busca nas teorias da psicologia soluções para a educação.

    Para complementar o texto acima citado leia outro artigo Facilitar a aprendizagem: ajudar aos alunos a aprender e a pensar bastante interessante que expõe as responsabilidades da escola, da família e do próprio educando na sua maneira de adquirir conhecimentos.

    Leitura Obrigatória

    (ALENCAR, 2001)

    Sugerimos que você leia o livro intitulado “Novas contribuições da Psicologia aos processos de Ensino e Aprendizagem” da autora Eunice Soriano de Alencar, ela apresenta algumas das mais atualizadas contribuições de competências na leitura, escrita e compreensão e de conceitos matemáticos com uma visão crítica da aprendizagem.

    Pesquisa na Internet

    Sinta-se convidado a fazer uma pesquisa na internet sobre as teorias mais importantes para o processo ensino-aprendizagem. Buscando a conceituação e a diferenciação de cada uma delas.

    A pesquisa deverá se reportar ao Skinner, Freud, Gardner, Piaget, Wallon e Vigotsky. Objetivando a ampliação de conhecimentos bem como pôr em prática com as inúmeras descobertas de cada autor. Você vai se deliciar nessa fantástica viagem ao mundo desses exemplos da psicologia da aprendizagem.

    Após a pesquisa faça um resumo do assunto e comente com seus colegas.

    Saiba mais

    Leia a entrevista com Dra. Eulália H. Maimoni sobre Psicologia Escolar e Educacional , doutora e mestre em Psicologia Escolar pela USP, fala da sua atuação profissional, pela sua opção da Psicologia Escolar/Educacional e também da sua análise da Psicologia Escolar hoje no Brasil.

    Vendo com os olhos de ver

    Sugerimos o Filme “Mãos talentosas – A história de Bem Carson”, dirigido por Thomas Carter. Nos remete a história verídica de uma pessoa comum com dificuldades de aprendizagem que consegue ultrapassar todas as suas limitações e torna-se um maior e melhor neurocirurgião do mundo.

    Assista ao vídeo Vida Maria que trará a você uma visão do aprender no sertão nordestino. Quando falamos em psicologia da aprendizagem apenas vemos o cotidiano da cidade, porém esta obra artística relata a falta de incentivo dos pais no aprendizado. Assista e estabeleça o senso crítico do ensino aprendizagem.

    Propomos também que assista ao filme “Como estrelas na terra. Toda criança é especial”. Filme divertido e de muita criatividade. A história de um garotinho com dislexia, mas que sua família e as pessoas ao redor não sabiam, mas quando um dito professor entrou em sua vida, mudou para sempre a história desse garoto bem como o de sua família. Extraiu do menino um talento que ele já tinha, mas que não era estimulado. Bem o restante você saberá se assistir.

    Recomendamos a você ouvir a entrevista bem interessante e descontraída que ocorreu no Programa do Jô Soares com a pedagoga Patrícia Lins com o tema Metodologia Ativa, parte I e continuadamente a parte II.

    Esta conversação se torna importante para você que cursa Pedagogia. A mesma inicia nos reportando a origem do pedagogo, vem exemplificando e afirmando que “A inteligência se aprende”, traz uma abordagem ampla sobre vários temas do meio social aos novos paradigmas da escola.

    Revisando

    Vimos que educar é uma ação muito complexa e maravilhosa, pois proporciona a transformação do ser. A educação sofre constantes alterações com relação as tecnologias, ideologias, comportamentos, etc. O indivíduo quando surge no mundo vem com uma força instintiva. O impulso para satisfazer as necessidades, para sentir prazer e para conhecer já vem com a criança, mas para que ela possa seguir o caminho da socialização precisa ser orientada.

    O ato de ensinar é um ato prazeroso. Pode até ser comparado com o ato de cozinhar e de comer. Em outras palavras ensinar requer a habilidade de despertar a fome, o interesse, a curiosidade do aprendente.

    O adulto não precisa sempre dizer o que a criança deve fazer, pois ele poderá estar impedindo sua espontaneidade. Partindo desse pressuposto o professor deve propiciar um espaço agradável de construção do saber. O educador deve levantar hipóteses, dar oportunidade para que a criança venha pensar, construir e modificar seu pensamento sobre o mundo que a rodeia.

    Vimos as operações do pensamento como: comparação, observação, classificação e interpretação. A aprendizagem é definida como uma mudança de comportamento. A partir do momento que a pessoa aprende há uma mudança de comportamento. Vale ressaltar que mudança de comportamento não se aplica a aprendizagem cognitiva, mas a todos os aspectos da vida, como físico, afetivo, social, espiritual entre outros e ocorre do início ao fim da vida.

    Vimos também que o ciclo vital mostra que o desenvolvimento acontece em fases de modo contínuo. Cada uma delas com suas especificidades como, por exemplo: de acordo com a idade da criança a presença de profissionais qualificados, materiais pedagógicos de qualidade e diversidade de conteúdos são fundamentais.

    Quem pretende trabalhar com crianças deve conhecer sobre como as crianças eram tratadas no passado, eram tratadas como seres inferiores, mas quando cresciam um pouco tinham a responsabilidade de realizar as tarefas dos adultos, portanto eram consideradas cópias de adultos em miniaturas.

    Hoje, a criança através das leis e da educação, tem o direito de ser criança com liberdade e limite respeitando sua individualidade e o tempo de cada uma crescer em seu próprio ritmo.

    Só há aprendizado quando quem aprende é o sujeito da ação interagindo com a realidade do mundo que a rodeia. A aprendizagem permite à criança expressar e desenvolver suas competências e habilidades.

    Para que isso ocorra o professor deve manter uma relação de diálogo com os alunos, assim essa interação proporciona um espaço de construção do saber. Um dos aspectos mais importantes neste tema é a formação de vínculos afetivos entre professores e estudantes.

    O educador deve despertar a atenção do aluno, facilitar o estabelecimento e o alcance de seus objetivos de aprendizagem, avaliar de forma constante e recíproca, estimular discussões e debates e saber acolher as dúvidas, medos e erros dos aprendentes (e seus também).

    É possível que alguém aprenda algo porque é de sua vontade aprender, mas nem sempre é assim com todas as pessoas. Existem pessoas que querem aprender, mas não conseguem. Os motivos podem ser variados como, problemas com a didática, problemas de visão e falta de interesse sobre aquele determinado assunto, dentre outros. Há elementos que interagem entre si no processo de aprendizagem como o objeto do aprendizado, a pessoa que aprende e a aprendizagem e que, bem orientados, podem diminuir as dificuldades.

    Vimos cinco teorias da aprendizagem: teoria do condicionamento ou comportamental, teoria da Gestalt, teoria de campo, teoria cognitiva e a teoria fenomenológica.

    A teoria do condicionamento ou comportamental tem o comportamento como objeto de estudo. Essa teoria compreende o comportamento humano como ação estimulada pelo contexto ou ação que modifica o contexto. Dessa forma, as respostas ou comportamentos podem ser de dois tipos: comportamento reflexo e comportamento operante.

    O comportamento reflexo é aquele que já nascemos com ele, não envolve um processo de aprendizagem e comportamento operante é aquele que produz alterações no ambiente e é afetado por essas alterações. Ambos os comportamento podem ser condicionados.

    A teoria da Gestalt desenvolve uma perspectiva ampla e unificadora do ser humano, integrando sua humanidade nas dimensões sensoriais, afetivas, intelectuais, sociais e espirituais.

    A teoria de campo é uma das bases teóricas dos estudos sobre processos grupais. Como na maioria das culturas, a aprendizagem escolar em nosso país se dá em salas composta por várias pessoas, ou seja, em grupo, conhecer melhor essa teoria poderá ser útil na atuação dos educadores.

    A teoria cognitiva concebe a aprendizagem como soluções de problemas conforme destacam John Dewey e Jerome Bruner. É por meio da solução dos problemas do dia-a-dia que os indivíduos se ajustam a seu ambiente. Da mesma forma deve proceder a escola, no sentido de desenvolver os processos de pensamento do aluno e melhorar sua capacidade para resolver problemas do cotidiano.

    Com base nos filósofos Edmund Husserl, Merleau-Ponty a teoria fenomenológica pode nos ajudar a entender a aprendizagem no sentido que: o objeto de aprendizado não está separado do sujeito; o momento da aprendizagem é vivencial, ou seja, o sujeito mais do que pensa, ele sente o que aprendeu; e o sujeito que aprende não é tão somente alguém que vive no mundo, mundo o constitui e ele constitui o mundo.

    Aprendemos que motivação é uma força interna que indivíduo usa para realizar aquilo que deseja. Esta força o mobiliza para a ação. Incentivar ou estimular é qualquer ação externa ao sujeito que poderá ajudá-lo a desenvolver uma ação. Muitas vezes pessoas são incentivadas, mas não conseguem alcançar o objetivo esperado. Se o incentivo não fizer o sujeito entrar em contato com o seu motivo para a ação (motivação), de nada adiantará.

    Como estamos falando em aprendizagem, a ação é aprender, o professor deve conhecer a realidade da pessoa que aprende para criar meios que facilitem sua aprendizagem, tornando-a prazerosa.

    Quanto aos aspectos da motivação na aprendizagem vimos fatores naturais e necessários como: curiosidade, desejo de atingir os objetivos, consciência, desejo de destaque, desejo de elogio ou reconhecimento e diálogo. Neste contexto a motivação positiva refere-se às inclinações positivas da criança para determinadas atividades saudáveis.

    Já a motivação negativa refere-se às inclinações que não são adequadas à saúde e à proteção da própria criança ou de outras pessoas. Neste segundo caso, deve haver uma certa atenção e orientação de profissionais qualificados como psicopedagogos e psicólogos.

    Vimos que a psicologia, enquanto ciência humana estuda a mente, o comportamento das pessoas e se apoia na compreensão de categorias como sensação, percepção, atenção, inteligência, memória, linguagem, aprendizagem e emoção.

    Os processos psicológicos básicos são organizados em dois tipos de funções mentais, as inferiores e as superiores. Segundo Levi Vigotsky, as funções mentais inferiores são a sensação e a percepção e as funções mentais superiores estão ligadas a interação social, como o pensamento, a linguagem e a inteligência.

    Há vários tipos de inteligência, destacamos a inteligência emocional e a inteligência afetiva. A emocional desenvolve habilidade de controlar as emoções e a inteligência afetiva se coloca como facilitadora do processo de aprendizagem em todos os aspectos que envolvem o ser. Além de outras diferenças, a emoção se refere ao sentimento que ocorre de forma ocasional e passageira, e o afeto é um sentimento mais duradouro advindo da transformação de alguma emoção.

    Cabe ao professor criar situações que facilitem a aprendizagem acolhendo seus alunos sem preconceito e com afeto. Procurado perceber suas potencialidades e dificuldades, estimulando as primeiras e orientando na superação das segundas.

    O plano de aula é um instrumento importante e indispensável que deve ser elaborado, evitando a rotina, fixação de respostas prontas. O professor precisa estimular que seus alunos levantem hipóteses diante de situações novas sem ensinar-lhes soluções prontas.

    O verdadeiro educador provoca desequilíbrios, desafios, mas orienta e apoia seu aluno e lhe fortalece para que possa desenvolver seu autoconhecimento, o conhecimento do mundo e a possibilidade de viverem com autonomia.

    Autoavaliação

    1. Comente o pensamento de Rubem Alves sobre aprendizagem. E você, o que pensa sobre o ato de aprender?
    2. Qual a definição mais comum para aprendizagem?
    3. Segundo Jean Piaget, quais são os estágios do desenvolvimento do ser humano? Fale um pouco sobre os processos de assimilação, acomodação e equilibração.
    4. Escreva sobre o pensamento de Erik Erikson sobre aprendizagem e descreva as oito fases do ciclo vital.
    5. Descreva como era vista a infância no passado e como ela é considerada nos dia de hoje?
    6. Descreva a postura que o educador precisa ter em sua prática educativa.
    7. Cite e comente os princípios norteadores do processo ensino/aprendizagem.
    8. A Teoria do Condicionamento ou Comportamental compreende o comportamento humano como ação estimulada pelo contexto ou ação que modifica o contexto. Cite e descreva, com suas palavras, os dois tipos de comportamentos identificados por esta teoria.
    9. A Teoria da Gestalt se baseia em vários conceitos para compreender a aprendizagem: Percepção, insight, relação figura x fundo, visão holística e humanista. Comente cada um deles.
    10. O que podemos entender sobre Teoria de Campo? Pense e escreva como ela pode ser usada em uma sala de aula.
    11. John Dewey, estudioso da Teoria Cognitiva, apontou seis passos característicos do pensamento científico. Cite-os fazendo seus comentários.
    12. A Teoria Fenomenológica diz que não há separação entre o sujeito e o mundo. O que significa isso quando se pensa em aprendizagem?
    13. Qual a diferença entre motivação e incentivo/estímulo?
    14. Quais são as inteligências destacadas por Howard Gardner (1994)? O que você entendeu sobre cada uma delas?
    15. Qual a diferença de emoção e afetividade?
    16. Escreva um pouco sobre o seu processo de aprendizagem neste módulo. Como você sentiu? Quais dificuldades você encontrou? Como as superou? Quais as facilidades? Você sente que aprendeu por quê?

    Bibliografia

    ALENCAR, Eunice Soriano de (org). “Novas contribuições da Psicologia aos processos de Ensino e Aprendizagem”. 4 Ed. São Paulo: Cortez, 2001. 224 p.

    ALVES, Rubem.Ao professor com o meu carinho . Campinas, SP, Editora Verus, 2004.

    ALVES, R.A escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir A escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir. Campinas, SP: Papirus Editora, 2001.

    CAVALCANTE, Ruth.Educação biocêntrica - um movimento de construção dialógica, Fortaleza, 1999.

    ERIKSON, E. H. (1968). Identidade, juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

    FREIRE, Paulo .Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez/Instituto , 2001.

    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 29. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004. 148 p.

    FORGHIERI, Y. C., et al. Fenomenologia, existência e psicoterapia. In. Fenomenologia e psicologia. São Paulo, Cortez Editora, 1984.

    GADOTTI, Moacir. Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Scipione, 1991.

    GARDNER, Howard. Estruturas da mente: a Teoria das Múltiplas Inteligências. Porto Alegre: Artes Médicas, c1994. Publicado originalmente em inglês com o título: The frams of the mind: the Theory of Multiple Intelligences, em 1983.

    GINGER, Serge e Anne Ginger.Gestalt - uma terapia do contato. 4 ed. São Paulo: Editora Summus, 1995.

    GÓIS, C. W. L. Vivência: caminho à identidade. Fortaleza: Editora Viver, 1995.

    GOLEMAN, D. Inteligência emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

    HARPPER, Babette e outros. Cuidado, escola! 8ª ed. São Paulo, Brasiliense, 1982.

    LA TAILLE, Yves de; OLIVEIRA, Marta Kohl de; DANTAS, Heloysa.Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. 17.ed. São Paulo: Summus, 1992, 117 p.

    LEITÃO, V. M. A fenomenologia de Merleau-Ponty. In.Para além da pessoa: uma revisão crítica da psicoterapia de Carl Rogers. São Paulo-SP, 1990.

    LIMA, Lauro de Oliveira. Piaget para principiantes. – São Paulo: Summus, 1980, (Novas buscas em educação, v. 8)

    MOREIRA. B. M., MEDEIROS C.A. Princípios básicos de análise do comportamento. Porto Alegre:Artmed, 2201, 224p.

    NUNES, A. I. B. L.; XAVIER, A. S. et all. Psicologia do Desenvolvimento: teorias e temas contemporâneos . Brasília: Liber Livro, 2009.

    PAPALIA, D. E. O estudo do desenvolvimento humano . 8ª Ed. Local Artmed. Cap. 1, 2006.

    PIAGET, J. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense, 1970.

    PIAGET, Jean. Seis estudos de psicologia. 24 edição. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária., 2001.

    PIAGET, Jean. Epistemologia genética. São Paulo. Martin Fontes, 2002.

    RIBEIRO, J. P. Gestalt terapia - o processo grupal: uma abordagem fenomenológica da teoria de campo e holística. São Paulo: Editora Summus, 1994.

    ROSA, Jorge de La. Psicologia e educação: o significado do aprender. 7. Ed. – Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

    SCHERPP, Karlheinz, BUROW, Olaf.axel. Gestaltpedagogia- um caminho para a escola e a educação. Tradução Luiz Alfredo Lilienthal. São Paulo. Summus Editorial, 1981.

    VIGOTSKY, Lev Semenovich; COLE, Michael. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6a. ed. São Paulo: Martins Fontes,1982,

    WITTER, Geraldina Porto. Psicologia e Educação: professor, ensino e aprendizagem. Editora: Alínea. 2004.

    Bibliografia Web

    ALMEIDA, Leandro S.. Facilitar a aprendizagem: ajudar aos alunos a aprender e a pensar. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas , v. 6, n. 2, Dec. 2002 . Disponível em: . Acesso em 30 Junho de 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572002000200006.

    BOSSI, T. J.;SANTOS, A. S.; ARDANS BONIFACINO, H. O. O ciclo vital segundo Erik Erikson e a constituição da identidade: experiência com um grupo de adolescentes. (2010) Disponível em http://www.unifra.br/eventos/sepe2010/2010/Trabalhos/humanas/Completo/5206.pdf. Acesso em 04.07. 2014 às 18:15hs.

    CAVACO, N. DIOGO, S. VILA, C. VIEIRA, A. Aprendizagem. www. Psicologi.com.pt. Documento produzido em 25.01.2009. Disponível em http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0125.pdf. Acesso em 03.07.2014 às 17:30hs.

    LOMONACO, José Fernando Bitencourt. Psicologia e educação: hoje e amanhã.Psicol. Esc. Educ. (Impr.) , Campinas , v. 3, n. 1, 1999 . Disponível em . acessos em 30 jun. 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85571999000100002.

    LEITE, Vicente (org). Psicologia da Educação. Curso de educação Física na FAEFM. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAAesZcAG/psicologia-educacao?part=5. Acesso em 20.08.2014 às 18:30hs

    MAIMONI, Eulália H.Psicologia Escolar e Educacional. Psicol. Esc. Educ. (Impr.) vol. 6 nº. 2 Campinas Dec. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141385572002000200011&script=sci_arttext. Acesso em 03/102014.

    ROSA, Jorge Lá. (org). Psicologia e Educação: o significado do aprender. 7ª Ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=K2Lf-uSQt-0C&pg=PA213&dq=psicologia+da+aprendizagem&hl=pt-BR&sa=X&ei=sT6fU_XULc_LsQSk64LgDg&ved=0CCEQ6AEwATgo#v=onepage&q=psicologia
    %20da%20aprendizagem&f=false. Acesso em 20.08.2014.

    TREHL. L. Teoria das múltiplas inteligências de Howard Gardner:breve Resenha e reflexões críticas. Trabalho apresentado com requisito parcial para a conclusão da disciplina Seminário sobre Ensino de Comunicação e Informação, 2000/2. Disponível em http://www.chasqueweb.ufrgs.br/~leticiastrehl/HowardGardner.pdf. Acesso em 16.06.2104 às 13:30hs.

    Vídeos

    CARTER, Thomas.Mãos Talentosas: a história de Bem Carson. 2009. Drama. 90min.

    RAMOS, Márcio. Vida Maria. 2006. Animação, Brasil, 9min.

    KHAN, Aamir, GUPTE, amole. Como estrelas na Terra. Toda criança é especial. 2007, Drama, índia, 165min.

    SILVA, Patrícia L. e. Metodologia ativa- Parte I . (14 min e 25 seg)

    SILVA. Patrícia L. e. Metodologia ativa – Parte II. ( 4 min e 24 seg).

    Biofisiológica

    A palavra biofisiológico é composta por duas palavras: "bios" que é vida em latim e "fisiológico" referente às funções orgânicas.

    Dessa forma, a nomenclatura adotada, o suporte, trata-se da parte orgânica do sujeito.

    Na complexidade que envolve o sujeito, o biofisiológico refere-se ao corpo humano, principalmente os aspectos físicos, biológicos e fisiológicos (genética, neurobiológico, etc.) (DOLLE, 1993). Portanto o biofisiológico é a dimensão relacionada ao suporte para o sujeito e nele estão inseridos os sujeitos cognitivo, afetivo e social (DOLLE, 1993).

    Heterônomo

    Que está sujeito a uma lei ou força exterior, ou a vontade de outra pessoa. Que recebe do exterior as normas e regras de sua conduta Que está sujeito a leis (como, p.ex., as do crescimento) que se desviam das normais.

    Heteronomia

    Significa dependência, submissão, obediência. É um sistema de ética segundo o qual as normas de conduta provêm de fora. A palavra heteronímia é formada do radical grego “hetero” que significa “diferente”, e “momos” que significa “lei”, portanto, é a aceitação de normas que não são nossas, mas que reconhecemos como válidas para orientar a nossa consciência que vai discernir o valor moral de nossos atos.

    Behaviorismo

    Também conhecido como comportamentalismo, é uma área da psicologia, que tem o comportamento como objeto de estudo.

    O behaviorismo surgiu como oposição ao funcionalismo e estruturalismo, e é uma das três principais correntes da psicologia, juntamente com a psicologia da forma (Gestalt) e psicologia analítica (psicanálise).

    Imbricamento

    Transformar em algo imbricado. Figurado. Dispor coisas de modo que umas se sobreponham em parte às outras ou estejam ligadas de maneira estrita.

    Créditos

    Diretor Presidente das Faculdades Inta

    • Dr. Oscar Rodrigues Júnior

    Pró Diretor de Inovação Pedagógica

    • Prof. Pós Doutor João José Saraiva da Fonseca

    Coordenadora Pedagógica e de Avaliação

    • Prof. Sônia Henrique Pereira da Fonseca

    Equipe de Pesquisa e Desenvolvimento de Projetos Tecnológico e Inovadores para Educação

    Coordenador

    • Anderson Barbosa Rodrigues

    Analista de Sistemas Mobile

    • Francisco Danilo da Silva Lima

    Analista de Sistemas Front End

    • André Alves Bezerra

    Analista de Sistemas Back End

    • Luis Neylor da Silva Oliveira

    Técnico de Informática / Ambiente Virtual

    • Luiz Henrique Barbosa Lima
    • Rhomelio Anderson Sousa Albuquerque

    Equipe de Produção Audiovisual

    Roteirista

    • Nila Mara Cunha Carvalho

    Gerente de Produção de Vídeos

    • Francisco Sidney Souza Almeida

    Edição de Áudio e Vídeo

    • Francisco Sidney Souza Almeida
    • José Alves Castro Braga

    Gerente de Filmagem/Fotografia

    • José Alves Castro Braga

    Operador de Câmera/Iluminação e Áudio

    • José Alves Castro Braga

    Desenhista/Ilustrador

    • Juliardy Rodrigues de Souza

    Designer Gráfico

    • Márcio Alessandro Furlani
    • Cícero Romário Rodrigues

    Assesoria Pedagógica/Equipe de Revisores

    • Sônia Henrique Pereira da Fonseca
    • Anaisa Alves de Moura
    • Evaneide Dourado Martins

    Gerente de Execução de Projetos

    • Anaisa Alves de Moura

    Avalie nosso material didático